Massa volta de ‘turnê de despedida’ com cara de sorte grande

Felipe Massa parecia ter colocado um fim na carreira na F1, mas o destino o pôs de volta. Escalado para substituir Valtteri Bottas, o brasileiro agora não sabe mais quando vai se aposentar. Até porque a Williams também voltou

Juliana Tesser, de São Paulo

 

Felipe Massa pode até não ser fã do Kiss, mas tal qual a banda fundada por Paul Stanley e Gene Simmonds, segue na ativa depois de completar sua ‘turnê de despedida’. Ao contrário da lendária banda de hard rock, no entanto, o piloto brasileiro não demorou a colocar um fim em seu hiato.

Em 2016, no fim de semana do GP de Monza, Felipe anunciou que aquela seria sua derradeira temporada na F1. Como não poderia deixar de ser, a passagem pelo Brasil resultou em uma despedida grandiosa, com o piloto aos prantos e ovacionado por torcedores e equipes rivais.

Cinco dias após o fim da temporada, porém, Nico Rosberg foi o responsável por mudar o futuro de Massa. Na esteira do título da F1, o germânico decidiu pendurar o capacete e deixou a Mercedes a ver navios, procurando alguém para assumir o posto de companheiro de Lewis Hamilton.

Com a maioria dos pilotos do grid presa por contrato com as escuderias rivais, a esquadra de Brackley se viu sem muitas opções. Valtteri Bottas, então, apareceu como a melhor solução, mas a Williams fez jogo duro para liberar aquele que seria seu principal piloto — já que o acerto com Lance Stroll já era fato consumado.

Solicita — pero no mucho —, a Williams aceitou liberar Bottas de seu contrato, mas impôs uma série de condições. Entre elas: a volta de Massa.

 

Quer ler esta matéria na íntegra?