Indy Leist

Campeão da F3 Inglesa em 2016, Matheus Leist é o único brasileiro no grid da Indy Lights. A categoria que mais projeta pilotos para a Indy, em 2017, vai contar com 15 carros distribuídos por cinco equipes

Gabriel Curty, de São Paulo

A temporada 2017 da Indy Lights vai começar neste final de semana nas ruas de São Petersburgo. Por mais que a categoria já não seja mais uma garantia de vaga na Indy para seus destaques, as últimas duas temporadas devem ter servido de alento para os garotos que tentam a vida no estágio final do Road to Indy.

Campeão da Lights em 2015, Spencer Pigot passou boa impressão em suas corridas pela RLL e garantiu o posto de piloto titular da Carpenter em circuitos mistos e de rua no ano passado, renovando para 2017. Além dele, RC Enerson conseguiu dar o ar da graça tendo grande desempenho com a Dale Coyne.

Porém, ao final de 2016, uma notícia ainda mais animadora para os pilotos da Lights: Ed Jones, campeão da categoria, conseguiu de cara assumir a titularidade na Dale Coyne para 2017. Está certo que o britânico tem bom aporte financeiro e que vai para a pior equipe do grid, mas não deixa de ser uma vitória e um fio de esperança para os ex-colegas.

Campeão da Lights, Ed Jones vai correr a temporada completa na Indy em 2017
Indy Lights
Importantes pilotos já fizeram história na Lights e conquistaram o título da categoria. Nessa lista aparecem nomes como Paul Tracy, Bryan Herta, Tony Kanaan, Cristiano da Matta, Oriol Servià, Scott Dixon, AJ Foyt IV, Thiago Medeiros, Rapha Matos, JR Hildebrand, Josef Newgarden e Tristan Vautier.
 
O grid de 2017 vem com 15 pilotos, sendo sete norte-americanos. Além dos EUA, apenas o Canadá conta com mais de um representante na categoria. Fechando a lista aparecem, com estrelas solitárias, a França, o Uruguai, a Colômbia, a Argentina, o México e o Brasil - representado pelo gaúcho Matheus Leist.
 
A novidade negativa na lista dos carros que alinham é a saída da tradicional Schmidt Peterson, equipe que inclusive contava com o brasileiro André Negrão como um dos pilotos.
André Negrão deixou a Indy Lights com a saída da Schmidt Peterson
Indy Lights
Atual campeã com Jones e com planos abertos de um dia estar na Indy, a Carlin chega como grande favorita ao bicampeonato. É no time de Trevor Carlin que está o promissor Leist, que trocou a "política" Europa pelos EUA.
 
Leist, de 19 anos, foi campeão da F3 Inglesa e esteve muito perto de correr na GP3 em 2017. Por entender que o automobilismo europeu passa por um momento em que dinheiro e influência acabam pesando mais que o talento, o piloto resolveu tentar a sorte nos EUA. Nada melhor, então, do que estar no melhor time da Lights.
 
No início do mês passado, o gaúcho conversou com o GRANDE PRÊMIO e explicou que, mesmo sem ter aberto mão completamente do sonho de correr na F1, tem a Indy como nova grande meta.
 
"Meu foco hoje precisa ser na Indy, precisa ser em garantir minha carreira. Mas, vamos imaginar que em um futuro próximo em chegue à Indy, comece a vencer corridas e tenha um grande desempenho lá, aí, talvez, as chances de ir para a F1 apareçam, mas hoje é foco na Indy", disse.
Matheus Leist foi campeão na Inglaterra em 2016
F3 Inglesa

A Carlin aumentou ainda mais seu contingente na categoria, botando na pista um quarto carro. Dos companheiros de Leist, o rival mais perigoso deve ser Neil Alberico, que não teve um ano de calouro dos melhores na Lights, mas mostrou ter potencial nas demais categorias de acesso.
 
Além de Alberico, o também americano Garth Rickards e o canadense Zachary Claman DeMelo completam o time. Rickards tem 24 anos e ainda não disse ao que veio, tendo um nono lugar na USF2000 em 2015 como resultado mais expressivo. DeMelo, por sua vez, vai para sua segunda temporada na Lights. O canadense de apenas 18 anos teve seus bons momentos em 2016 e fechou o ano em nono, com um quarto lugar em Road America tendo sido o ponto alto. 
 
O outro time que conta com quatro carros no grid é a Andretti. Tentando se recuperar na Lights, o time aposta no talento de Nico Jamin, na manutenção de Dalton Kellett e nas chegadas dos americanos Colton Herta e Ryan Norman. 
 
Aos 21 anos, o francês Jamin chega como um dos favoritos ao caneco. Campeão da USF2000 em 2015 e terceiro colocado na Pro Mazda em 2016 com menos equipamento que os rivais, Jamin tem tudo para ser o líder da Andretti. Com 23 anos, Kellett tem a missão de acompanhar o gaulês e, finalmente, mostrar o que faz no Road to Indy. Até aqui, em cinco anos de programa, o canadense não passou do décimo lugar, repetido em 2014, 2015 e 2016 na Pro Mazda e na própria Lights.
 
Nico Jamin vem como um dos fortes candidatos ao caneco da Lights
Indy Lights
Colton é filho de Bryan Herta, ex-piloto da Indy e hoje parceiro da Andretti na categoria principal. Com apenas 16 anos de idade, o californiano é o caçula da turma e que faz sua mudança para o automobilismo norte-americano. Norman, de 18 anos, é um pouco mais velho que Herta, mas tão inexperiente quanto no assunto Road to Indy. O piloto de Ohio, porém, tem no currículo títulos de categorias menores dos EUA.
 
A Belardi vem com um trio de muito respeito atrás do título. O uruguaio Santiago Urrutia, grande destaque da categoria em 2016 e vice-campeão, puxa a fila que ainda tem o experiente Shelby Blackstock e o promissor Aaron Telitz.
 
Urrutia tem 20 anos e se notabilizou por excelentes performances nos circuitos mistos em 2016. O uruguaio, além do vice da Lights no ano passado, foi campeão da Pro Mazda em 2015. Aos 27 anos, Blackstock ainda tenta impressionar na categoria, tendo o oitavo lugar de 2016 como seu melhor desempenho.
Santiago Urrutia brilhou em 2016
Indy Lights
Aos 25 anos de idade, Telitz não é mais nenhum garotão, mas seu último ano foi impressionante. Terceiro colocado da USF2000 em 2015 com a poderosa Cape, o americano aproveitou o domínio da Pelfrey na Pro Mazda e conseguiu uma grande virada para sagrar-se campeão da 'Terceira divisão'.
 
A Juncos vem com uma dupla bem interessante. Kyle Kaiser, de 21 anos, vai para seu terceiro ano de Lights e tem bons contatos na Indy, sendo um potencial candidato a beliscar uma vaguinha na categoria principal, bem como brigar pelo caneco como fez em 2016. Ao seu lado corre o argentino Nicolas Dapero, de 19 anos e um quinto lugar na Pro Mazda no histórico.
 
Após perder o título da Pro Mazda de maneira inacreditável, Pato O'Ward é um dos pilotos da dupla da Pelfrey. Aos 17 anos, o mexicano ainda não garantiu presença na temporada toda, mas já sabe que ao seu lado estará o veterano de Lights Juan Piedrahita, que ainda não provou seu potencial na categoria.
 
Com 16 corridas no calendário, a Lights começa sua temporada neste final de semana em São Petersburgo e encerra os trabalhos no traçado de Watkins Glen, no dia 3 de setembro.