Mais maduro, Márquez é o homem a ser batido

Vencedor de três dos últimos quatro campeonatos, Marc Márquez tem muito mais do que um bom retrospecto: está mais experiente, confiante e tem nas mãos uma moto competitiva

Vinícius Piva, de São Paulo

 

Em 2017, Marc Márquez vai para a quinta temporada na MotoGP em busca de seu quarto título mundial na categoria. Nada mal para um jovem de 24 anos de idade. O espanhol mais parece um veterano pelo respeito conquistado entre seus pares e todos do paddock do Mundial de Motovelocidade. Não apenas por seu notável talento sobre duas rodas, mas também pelos números impressionantes que acumula até aqui. São cinco títulos mundiais, dos quais um na extinta 125cc (2010), outro na Moto2 (2012) e três na MotoGP (2013, 2014 e 2016). Só na MotoGP são 51 pódios, sendo 29 vitórias, 15 segundos lugares e sete terceiros. 

Por todo esse retrospecto é mais do que plausível apontá-lo como fortíssimo candidato ao título nesta temporada. Ok, o passado é um bom indicativo, mas sem motivação não se chega a lugar algum. E isso Márquez parece ter de sobra. Quase sempre com um sorriso no rosto, o #93 parece pronto em todos os aspectos e bastante animado para defender seu troféu. “Nós viemos para esta temporada melhor do que na temporada passada, mas isso não significa que o resultado será melhor. O que é verdade é que temos nos preparado bem. Fisicamente estou em 100% e mentalmente também estou muito motivado, como sempre, para tentar lutar pelo título por mais um ano”, afirma o representante da Honda. 

A pré-temporada de Márquez teve seus altos e baixos, mas, em linhas gerais, pareceu bastante positiva. Foram 685 voltas completadas em 11 dias de atividades em Valência, Sepang, Phillip Island e Catar - sem contar um teste privado em Jerez no qual caiu e acabou deslocando o ombro direito. O #93 liderou os trabalhos apenas no dia 1 em Phillip Island. Seu pior desempenho foi também no dia 1, só que na última bateria de testes, no Catar, quando ocupou a modesta 12ª colocação. 

No geral, mesmo não aparecendo no alto da tabela de tempos com tanta frequência, chamou a atenção por sempre ser competitivo e conseguir um ritmo de corrida satisfatório. E em muitos momentos também conseguiu boas voltas lançadas. Valentino Rossi, da Yamaha, chegou a dizer durante a sessão da Austrália que Márquez era o mais rápido dentre todos os competidores e estava escondendo o jogo, mas foi prontamente rebatido. “Não faço jogos. Se eu estivesse pronto, não faria 107 voltas. Minhas mãos estão doloridas!”, falou à época. 

O titular da Honda demonstrou preocupação e certa insatisfação em alguns dias de testes, é verdade, sobretudo com os problemas de aceleração da RC213V e na relação entre a eletrônica e o motor, mas nunca deixou se abater e, sempre que possível, fez questão de elogiar o progresso alcançado pelo time com o passar dos dias das atividades preparatórias. Foi essa a tônica do balanço de sua pré-temporada. 

 

Quer ler esta matéria na íntegra?