A Supremacia Penske

Se AJ Foyt, Rick Mears e Al Unser são os maiores pilotos vencedores da Indy 500, com 4 triunfos, nenhum dono de equipe consegue, nem de perto, ter o sucesso que Roger Penske possui no IMS. São 16 vitórias para Roger

Gabriel Curty, de São Paulo
Vencer as 500 Milhas de Indianápolis é sempre muito complicado. Por isso, o ranking histórico de triunfos entre pilotos é extremamente apertado, com apenas AJ Foyt, Al Unser e Rick Mears tendo subido ao lugar mais alto do pódio em quatro oportunidades.
 
Entretanto, a realidade na classificação geral de vitórias por donos de equipe tem uma incrível supremacia. Enquanto lendários nomes como Chip Ganassi, Foyt e Michael Andretti triunfaram quatro vezes e Lou Moore venceu edições, Roger Penske levou a melhor em inacreditáveis 16 ocasiões. Só neste século, Roger viu seus pilotos beberem o leite seis vezes.
 
A prova que abriu o caminho para o domínio de Roger nas estatísticas aconteceu em 1972. Naquele ano, apenas quatro após a estreia do time na Indy 500, Mark Donohue colocou a Penske no mapa, primeiro largando em um bom terceiro lugar, depois tomando a ponta de Jerry Grant com 12 voltas para o fim e assegurando o triunfo.
Mark Donohue venceu a Indy 500 em 1972
Getty Images
Após sete anos de jejum, a Penske voltou ao topo em 1979. Desta vez, o responsável pelo sucesso do time no IMS foi o lendário Mears, na sua primeira vitória na Indy 500. Dono de um quarto dos triunfos da Penske no oval mais famoso do mundo, Mears voltou a vencer em 1984, em 1988 e em 1991, já aos 40 anos.
 
Entre a primeira e a segunda vitória de Mears, Bobby Unser levou a Penske ao lugar mais alto do pódio em 1981. Pole naquela prova, Unser se envolveu em uma tremenda polêmica, já que seus rivais por muito tempo reclamaram que ele havia ultrapassado carros em bandeira amarela na volta 149. 
 
Em 1985, foi a vez de Danny Sullivan superar a concorrência e, mesmo largando apenas em oitavo, vencer a corrida no IMS. Nos anos 1980, ainda houve espaço para o último triunfo da carreira de Al Unser no oval sagrado, em 1987.
Al Unser venceu no IMS em 1987
Getty Images
Os anos 1990 certamente não foram os mais marcantes para Roger e seus comandados no IMS. Mesmo assim, também estiveram longe do trágico. Além da vitória de Mears em 1991, a Penske viu o histórico triunfo de Emerson Fittipaldi em 1993, conseguindo duas seguidas com Al Unser Jr. desbancando a concorrência em 1994.
 
A primeira e, até aqui, única vez que a Penske conseguiu vencer três edições seguidas das 500 Milhas de Indianápolis foi logo no início do século XXI. Aliás, o responsável por dois terços disso tem nome e sobrenome e é brasileiro: Helio Castroneves.
 
Em 2001, o novato Homem-Aranha largou no 11º lugar, fez excelente prova e conseguiu controlar a disputa em sua parte final. No ano seguinte, seu segundo no IMS, Castroneves provou que 2001 não foi acaso e, largando em 13º, repetiu a dose e venceu sua segunda corrida em Indianápolis.
Helio Castroneves fez história em 2001
Getty Images
 
Castroneves ficou muito perto de vencer a terceira seguida em 2002, mas teve de se contentar em completar a dobradinha da Penske - e do Brasil. Na sua frente, Gil de Ferran se despedia da Indy 500 com uma grande vitória, a sua primeira no IMS.
 
A primeira década do século XXI ainda reservou mais duas vitórias para a Penske: Sam Hornish Jr. bateu os rivais em 2006, enquanto Castroneves voltou a escalar a grade de Indianápolis em 2009. 
 
Na atual década, porém, a Penske não vinha tendo lá um grande desempenho. Após seis anos de seca, Roger tirou a barriga da miséria com uma dobradinha de Juan Pablo Montoya e Will Power, em prova que o colombiano cruzou a linha final apenas 0s105 na frente do companheiro.
A comemoração de Juan Pablo Montoya
Getty Images