Chegadas e partidas

As 500 Milhas de Indianápolis de 1986 foram carregadas pela carga emocional. Na primeira e única vitória de Bobby Rahal na principal prova do calendário, a despedida de seu chefe Jim Trueman com triunfo

Gabriel Curty, de São Paulo
A edição de 1986 das 500 Milhas de Indianápolis foi bastante marcante. Após domingo e segunda-feira chuvosos, a prova só foi acontecer no sábado seguinte à data original, um 31 de maio, mas não foi só por isso que a edição foi histórica.
 
Após tentativas fracassadas de realizar a prova no domingo e na segunda-feira, esbarrando na chuva, os organizadores acharam melhor transferir a corrida para o sábado seguinte, o que automaticamente fez com que a etapa de Milwaukee também fosse atrasada em uma semana, já que estava prevista para ocorrer no primeiro dia de junho.
 
Quem largou na ponta foi Rick Mears, seguido por Danny Sullivan, Michael Andretti, Bobby Rahal, Al Unser e Kevin Cogan.
Bobby Rahal passando Kevin Cogan para tomar a dianteira
Getty Images
A prova foi praticamente em sua totalidade polarizada em uma disputa entre Mears, Rahal e Cogan, que saiu do sexto lugar no grid. Com 13 voltas para o fim, Cogan tomou a frente de Mears, começando a abrir vantagem e dando claras mostras de que iria partir para a vitória.
 
Cogan na ponta ficou por outros quase dez giros, mas a volta 194 reservaria novas emoções para a prova. Arie Luyendyk rodou na curva 4, batendo no muro e forçando a entrada do safety-car no momento derradeiro. 
 
A bandeira verde veio com duas voltas para o fim após rápido trabalho dos fiscais. E foi aí que Rahal deu a cartada final. Relargando com maestria, Bobby superou Cogan e marchou para vencer a primeira e única Indy 500 de sua carreira.
Bobby Rahal com Jim Trueman
Getty Images
Aquele triunfo de Rahal não marcou apenas sua única vitória nas 500 Milhas, mas também foi carregado de emoções. Seu chefe de equipe na oportunidade, Jim Trueman estava fragilizado e lutava contra um câncer, torcendo e comemorando muito a vitória dos boxes. Aquela foi a última vez que Trueman esteve em Indianápolis, a primeira vencendo. 
 
Após Rahal cruzar a linha final, Trueman tomou o leite da vitória com o piloto e, emocionado, afirmou: "Agora eu posso ir". O chefe do time morreu 11 dias depois.
 
A relação de Rahal e Trueman, porém, não acabou ali. Após dois títulos seguidos na CART em 1986 e 1987, a Truesports chegou ao fim em 1993, dando origem ao que hoje é a RLL, equipe chefiada por Bobby e que tem seu filho Graham Rahal como piloto.