Os 50 anos e uma lenda

O aniversário de 50 anos das 500 Milhas de Indianápolis testemunhou também o surgimento de uma lenda do automobilismo norte-americano. A edição de 1961 foi vencida por A.J. Foyt. E foi também o primeiro de quatro triunfos do hoje dono de equipe na Indy

Evelyn Guimarães, de Curitiba

As 500 Milhas de Indianápolis celebraram o aniversário de 50 anos com uma prova marcada por tragédias, azares e estreias de gente de peso, mas também pela vitória de uma lenda. A edição da Indy 500 de 1961 foi realizada em uma terça-feira, 30 de maio, e viu o triunfo de Anthony Joseph Foyt Jr., ou apenas A.J., como chamam os norte-americanos. Foi a primeira de quatro conquistas do texano – o primeiro piloto a atingir a mágica marca de vencer quatro vezes no Brickyard. Mais tarde, Foyt ainda ganharia a companhia de Al Unser e Rick Mears.

Foyt escreveu seu nome na história com a primeira vitória no aniversário de 50 anos da Indy 500
Getty Images

A corrida

Ainda durante os treinos para a corrida, o piloto Tony Bettenhausen perdeu a vida depois de um acidente no dia 12 de maio. O americano de 44 anos estava testando o carro de Paul Russo, quando escapou e colidiu com o muro de proteção. A morte foi instantânea. 

Antes da tragédia, Bettenhausen estava entre os favoritos para se tornar o primeiro piloto a quebrar a barreira dos 150 m/h (ou 241 km/h). Tanto que a pole-position para as 500 Milhas daquele ano veio com uma velocidade bem menor: 237,348 km/h. E foi registrada por Eddie Sachs. Foyt largou da sétima posição.

A corrida naquele início de década de 1960 acompanhou uma intensa batalha entre Sachs e A.J., especialmente na parte final. E não faltou drama até a bandeirada final. Em seu último pit-stop programado, Foyt foi aos boxes, mas uma falha no sistema reabastecimento o fez retornar à pista com menos combustível. Ainda assim, voltou na liderança.

Mais leve em função do problema nos pits, o piloto do carro #1 retomou o ritmo forte e começou a fazer voltas cada vez mais velozes, se afastando de Sachs. E foi assim até que sua equipe sinalizou que, apesar dos esforços, ele teria de parar mais uma vez.

Foyt aguentou até a volta 184. Aí, não teve jeito, era abandonar por uma pane seca ou ir aos pits uma vez mais, correndo o risco de perder a disputa da vitória. Ele decidiu pelo splash & go. Sachs, então, assumiu a liderança e com larga vantagem para o rival. Mas a luta não estava perdida. 

Com três giros para o fim, o carro de Eddie apresentou um problema no pneu traseiro, abrindo caminho para a vitória de Foyt, a primeira das quatro que ainda iria conquistar no IMS. A.J. cruzou a linha de chegada com uma margem de 8s para o adversário do carro #12.

A.J. Foyt e Eddie Sachs monopolizaram as atenções nas voltas finais
Getty Images

Aquela prova também será sempre lembrada por ter sido a primeira participação de Jack Brabham, então bicampeão da F1, nas 500 Milhas de Indianápolis. O australiano terminou a corrida na nona posição, depois de largar em 17º, andando com um carro de motor traseiro — o que causou certo choque dentre os entusiastas dos motores dianteiros. 

Só que a corrida também não passou incólume a uma nova tragédia. John Masariu, de 38 anos, fazia parte da equipe de resgate daquela prova. Na volta 127, o piloto Eddie Johnson bateu na curva 4, mas não se feriu. Acontece que seu carro teve um princípio de incêndio. E Masariu estava ajudando a reparar os danos, quando foi atingido acidentalmente pelo caminhão do resgate. O norte-americano não resistiu aos ferimentos e morreu.

Foyt se transformou em uma lenda do esporte a motor nos EUA
Getty Images

A lenda

A.J. Foyt virou uma lenda. A primeira vitória na icônica corrida veio aos 26 anos, mas o rapaz de Houston já carregava fama de piloto veterano, tendo iniciado a carreira com pouco mais de 18 anos. Ao longo da vida, Foyt acumulou triunfos e títulos enquanto esteve ao volante de um carro de corrida. 

Foram 67 vitórias e sete campeonatos nas várias categorias de monopostos nos EUA que vieram como base do que hoje conhecemos como Indy. Além disso, o norte-americano, atualmente com 81 anos, também soma triunfos importantes em provas como a Daytona 500, as 12 Horas de Sebring, as 24 Horas de Daytona e as 24 Horas de Le Mans.

Como se não bastasse, A.J., que se retirou das pistas aos 58 anos, ainda continua envolvido com o automobilismo e é dono de uma equipe na Indy que leva seu nome. E não dá sinais de que vai parar tão cedo.