Quando as telas encontram a pista

James Stewart, Barbara Stanwyck, Clark Gable, Joanne Woodward, James Cagney, Mickey Rooney, Paul Giamatti, até o Deadpool e, claro, Paul Newman. A história fez da Indy 500 atrativa para Hollywood, as telas de cinema e seus grandes astros e estrelas

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

100 edições, 105 anos. Com toda a bagagem que o tempo reservou e a tradição que a história tratou de garantir, as 500 Milhas de Indianápolis chegaram até este momento de sua história estando no imaginário não apenas do automobilismo mundial, do esporte internacional, mas também do cinema. Grandes estúdios, estrelas e astros enormes já fizeram parte da Indy 500 em universos paralelos, aqueles criados em pontas de lápis e que deslumbram o público nas telonas mundo afora.

O primeiro filme registrado e que teve as 500 Milhas de Indianápolis como pano de fundo data do distante 1923. Sozinho, o filme mudo ‘Racing Hearts’ hoje estaria mais para um curta-metragem. São apenas 60 minutos de uma história da filha (Agnes Ayres) que assume o negócio do pai por alguns dias e, para evitar a falência, ordena que construam um carro de corrida. No fim das contas, depois de descobrir uma tentativa de sabotagem é ela mesma quem guia o carro em Indy e vence.

Daí em diante, nunca parou. ‘Speedway’, de 1929, é uma história sobre a batalha de pai e filho nas pistas e tinha a grande estrela da época, Anita Page, no elenco. O protagonista era William Haines, promissor ator dos anos 1920 e início dos 1930 que teve a carreira a carreira abreviada pela rejeição do dono do estúdio MGM, Louis B. Meyer, em aceitar que o ator não negaria publicamente que era homossexual. Na época, antes do Sindicato dos Atores, os estúdios eram praticamente donos de atrizes e atores.

Quer ler esta matéria na íntegra?