The rookies

A majestosa 500 Milhas de Indianápolis consagrou pilotos campeões, experientes, mas também reservou capítulos para os estreantes. E alguns novatos foram ainda mais longe, liderando e vencendo já na primeira chance que tiveram no Brickyard

Evelyn Guimarães, de Curitiba

Uma corrida majestosa e icônica como as 500 Milhas de Indianápolis exige uma preparação igualmente grandiosa. Ainda que nos últimos anos a organização da Indy venha reduzindo significantemente o número de treinos livres para a maior das provas, as atividades que antecedem à Indy 500 são sempre cercadas de expectativa, especialmente no que diz respeito aos rookies — aos novatos, em bom português.

A primeira vez de um piloto no Brickyard tem de ser especial, por isso não é qualquer competidor que ganha o direito de alinhar no grid da corrida no fim de maio. Antes é preciso passar por testes de velocidade e adaptação ao Speedway. Tanto que, ainda hoje, há uma sessão dedicada somente aos estreantes. 

Só que, embora novatos em Indy, muitos pilotos usaram toda a fama das 500 Milhas para escrever o nome na história e brilhar. E pegando carona no início dos treinos para a edição 100 nesta semana e ainda sob o impacto da impecável atual do jovem Max Verstappen na F1 no último fim de semana, o GRANDE PREMIUM decidiu lembrar as maiores atuações de rookies na história da tradicional prova de 200 voltas no superoval.

Danica Patrick foi a primeira mulher a liderar as 500 Milhas de Indianápolis. E ela fez isso logo na estreia, em 2005
Getty Images

Danica Patrick quebrou muitas barreiras e tem uma posição de destaque no esporte a motor nos EUA. Além de ser a primeira mulher a vencer na Indy, a pilota, hoje na Nascar, causou também furor quando estreou nas 500 Milhas em 2005. Além de liderar 19 voltas - sendo a primeira mulher a carregar o placa de P1 na famosa corrida -, Patrick terminou na quarta colocação.

Representantes importantes da F1 também se fizeram presentes na Indy 500 ao longo de sua história e marcaram época com desempenhos arrebatadores como rookies. Nigel Mansell, por exemplo, assombrou em sua primeira participação na prova norte-americana.

Depois de vencer o Mundial em 1992, o inglês atravessou o Atlântico e foi correr na Indy no ano seguinte. Em sua primeira experiência no superoval, o 'Leão' liderou a prova por 34 voltas e parecia que ia mesmo ganhar, mas Emerson Fittipaldi se valeu da pouca adaptação do britânico às relargadas e tomou a ponta para vencer pela segunda vez em Indianápolis. Mas Mansell não fez feio, ainda chegou em terceiro.

O charmoso Jim Clark também tem um capítulo de sucesso em sua primeira vez em Indy. Ainda que sem os títulos que o consagraram, Clark desembarcou nos EUA como estrela da F1 em 1963. O escocês não venceu como rookie, mas fez bonito. Mostrou velocidade, comandou 28 voltas e, no fim, terminou a corrida em segundo. Jim venceria a corrida em 1965.

Outro britânico que também brilhou em Indy foi Graham Hill. Já com um título da F1 no currículo, o altivo inglês escapou de uma confusão na largada, pilotou de forma segura e espetacular para ganhar logo na estreia, em 1966. Hill ainda conquistaria as 24 Horas de Le Mans, o que, junto com Indy e as vitórias em Mônaco, o colocaram em uma posição quase único no esporte a motor no mundo. 

Nigel Mansell foi campeão da F1 em 1992 e, no ano seguinte, foi correr na Indy. Chegou em terceiro na primeira Indy 500 da vida
Getty Images

Mais um novato que ganhou logo de cara foi George Souders, em 1927. Ele se valeu de um problema com os ponteiros Frank Lockhart e Pete DePaolo, para pular na frente e celebrar a vitória. O francês Rene Thomas também é um nome de destaque na lista dos estreantes vencedores. Thomas conquistou a Indy 500 em 1914, na primeira experiência que teve na pista de Indiana.

Jules Goux ficou famoso por beber champanhe enquanto corria as 500 Milhas, mas ele assombrou também com um desempenho forte em 1913, ao liderar 138 das 200 voltas, para vencer. Ainda na primeira parte do século passado, é importante lembrar Frank Lockhart. 

O piloto dominou sua Indy 500 de estreia em 1926, quando esteve à frente por 95 dos 160 giros da prova que precisou ser encurtada por conta da chuva. 

E nesta lista das maiores performances de estreantes em Indy, o nome de Helio Castroneves tem um lugar de destaque. Em 2001, o brasileiro pisou pela primeira vez no Brickyard. O oval não foi gentil com Helio de cara. O piloto da Penske, na verdade, teve de conquistar a famosa pista, antes de escalar seus alambrados. Mas a paciência venceu, e Castroneves levou a corrida naquele ano de estreia.

Apenas um ano antes, Indianápolis também já havia testemunhado um desempenho tão forte quanto. Só Juan Pablo Montoya, que vinha de título na Cart em 1999, fez parecer a Indy 500 muito fácil. O arrojado colombiano venceu comandando 167 das 200 voltas.

Neste ano, para a edição 100 das 500 Milhas, há cinco novatos inscritos, entre eles dois ex-F1.