Siga-nos

Análise

A pista molhada ainda separa os bons dos nem tão bons assim

Norris, pole-position para o GP da Rússia, e Russell, em terceiro, de Williams, foram os destaques da divertida classificação nos arredores do Parque Olímpico de Sóchi

George Russell, Lando Norris, GP da Rússia 2021,
(Foto: Reprodução/Twitter/@F1)

As corridas com chuva regaram de glórias alguns dos melhores pilotos da história da Fórmula 1. Depois de um tempo em que tudo, inclusive a meteorologia, ficou mais previsível, as provas debaixo de água passaram a ser contadas logo na divulgação do calendário. Ainda assim, a pista molhada separa os bons pilotos dos nem tão bons assim. Lando Norris, pole-position pela primeira vez, e George Russell, terceiro colocado, de Williams, foram os exemplos marcantes da classificação deste sábado (25) do GP da Rússia

Uma pena que a largada para a 15ª das 22 etapas do Mundial, que acontece neste domingo, às 9 horas (de Brasília), tende a ser com sol e sem a mesma diversão do treino classificatório. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo com ao vivo e tempo real. Ao todo serão 53 voltas ao redor do Parque Olímpicos dos Jogos Olímpicos de Inverno 2014.

Vá lá que Norris e Russel são ingleses e estão pra lá de acostumados com o clima que cancelou a terceira sessão de treinos livres em Sóchi — havia inclusive o temor de que a definição do grid de largada pudesse ficar para horas antes da corrida apenas. O também britânico Lewis Hamilton, que até um desses bons pilotos na chuva, foi muito surpreendido nos momentos finais do treino e posicionou sua Mercedes na quarta colocação. Carlos Sainz Jr., da Ferrari, ficou em segundo.

Lando foi o primeiro, mas beneficiado pela extrema ousadia do amigo Russell a seis minutos do fim do Q3. O #63 da Williams foi o primeiro a se arriscar em um trilho que timidamente começava a ser formar na chocha pista russa. De início, trocar os pneus intermediários pelos macios parecia loucura, mas pelo menos forçou os demais envolvidos na briga pelas dez primeiras posições a também mudarem de estratégia. A perícia do jovem pilotos de malas prontas para ir para Mercedes, foi extrema e rendeu bons frutos. 

Lando Norris, McLaren, GP da Rússia 2021, pneus intermediários
Depois de Russell, Norris também se viu obrigado a trocar pneus intermediários no Q3 (Foto: Reprodução/Twitter/@McLaren)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O #4 também tratou de andar exatamente no limite que o trilho seco impunha para não cometer erros bobos, como Lewis, que bateu na entrada dos boxes e, em um raro momento na sua carreira, perdeu a confiança para os momentos decisivos. O curioso é que Lewis estava literalmente “cantando na chuva”, reproduzindo a cena clássica de Gene Kelly no cinema. Já o jovem da McLaren, justamente com a descontração própria dos mais novos, não se importou com a pressão e cravou o melhor tempo após conseguir melhor aquecimento dos pneus. 

Se Norris e Russell estão na categoria dos bons pilotos na chuva — do atual grid, Max Verstappen, que largará em último por ter trocado o motor da Red Bull, também se destaca bastante — Sergio Pérez está na contramão. Sabedor da dificuldade do companheiro, o mexicano tinha por obrigação se classificar à frente de Hamilton e pelo menos dificultar a vida do rival na corrida.

Giovinazzi, Leclerc, GP da Rússia 2021,
Giovinazzi (foto) e Pérez foram os piores da classificação em pista molhada em Sóchi (Foto: Reprodução/Twitter/@F1)

Depois de muito sair da pista na primeira parte da classificação, quando a pista parecia inteiramente molhada, Pérez conseguiu ser ainda pior no Q3. Além da natural dificuldade com o arisco carro da Red Bull, o piloto demonstrou toda a sua imperícia com um pouco mais de dificuldade. Acabou na nona posição, mas certamente seria ultrapassado por mais gente se outros pilotos que haviam ficado pelo caminho também tivessem na disputa. 

Para citar outro nome dos “nem tão bons assim”, Antonio Giovinazzi, na 18ª posição, também mostrou toda a sua aversão à chuva. O italiano, ainda sem vaga para 2022, rodou logo no Q1 e por pouco não causou um acidente com o monegasco Charles Leclerc, que vinha logo atrás, de Ferrari. 

Leia mais:

+ Palou vs. O’Ward: o confronto final da Indy 2021

+ Bwoah: as melhores frases de Kimi Räikkönen

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect