Siga-nos

Análise

Mais do que nunca, agora é guerra na F1 2021

Enquanto Mercedes e Lewis Hamilton buscam todos os caminhos para lutarem pelo título, a Red Bull parece ter sentido o baque

Ânimos exaltados na Fórmula 1. A disputa pelos Mundiais de Pilotos e Construtores, que pegou fogo a partir do GP da Inglaterra, ganhou mais um capítulo polêmico neste sábado, 31, na classificação para o GP da Hungria, em Hungaroring.

Se nos últimos dias a Red Bull continuou reclamando da atitude de Lewis Hamilton em Silverstone, além da punição dada ao piloto pela FIA, o time austríaco sofreu mais uma derrota dura em Budapeste. Uma derrota na estratégia e dentro do regulamento, mas será que foi ética?

O heptacampeão e a Mercedes nunca vão assumir, mas a realidade é que o #44 saiu antes para dar a última volta rápida antes do fim do Q3 e segurou todos os adversários, incluindo Max Verstappen, o grande adversário pelo título. O holandês, por outro lado, se deixou cair na armadilha.

Hamilton usou todas as artimanhas para conseguir a 101ª pole na carreira (Crédito: Twitter / Mercedes)
Hamilton usou todas as artimanhas para conseguir a 101ª pole na carreira (Crédito: Twitter / Mercedes)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Além de Hamilton, só o piloto da Red Bull e a outra Mercedes, de Valtteri Bottas, conseguiram essa última volta rápida justamente por conta da “lentidão” do inglês. Pior: os três fizeram tempos muito mais lentos nessa última tentativa.

O que teria acontecido se Lewis tivesse andado mais rápido na volta de aquecimento, dando mais tempo aos adversário e todos com pneus na temperatura ideal? Ou se Max não tivesse se curvado à presença do adversário, ultrapassando-o rapidamente? Será que, com tudo isso, a ordem final do grid de largada seria diferente?

Muitas perguntas, mas é difícil dizer o que mudaria, até porque a Mercedes está bem na Hungria, mas não deixa de ser uma atitude passível de críticas por parte do time alemão.

Não é por menos que o público nas arquibancadas aplaudiu o piloto holandês e vaiou o inglês.

Claro que são todos adultos, vacinados (vacinem-se!) e dentro do regulamento. É uma disputa por um título mundial e, seguindo os limites da legalidade, toda a estratégia é permitida. Por outro lado, os sentimentos não se curvam, muitas vezes, a tais lógicas.

Verstappen acabou fazendo apenas o terceiro tempo na classificação em Hungaroring (Crédito: Twitter / Red Bull)
Verstappen acabou fazendo apenas o terceiro tempo na classificação em Hungaroring (Crédito: Twitter / Red Bull)

Agora, as reações viram combustível. Hamilton deixou claro que a recepção negativa de parte do público o alimenta, enquanto Verstappen é o típico piloto que cresce em situações de conflito como essa.

Amanhã, o #44 largará em primeiro e com pneus médios, uma condição perfeita para, sem sobressaltos, ganhar a corrida. Já Verstappen, de compostos macios e partindo de terceiro, terá que arriscar tudo nos primeiros metros. Receita para o caos.

Mais do que nunca, agora é guerra na Fórmula 1 em 2021. Disputa aberta. Vale tudo, como valia em 2007 – quando, no mesmo Hungaroring, Fernando Alonso deflagrou a guerra contra o próprio Hamilton na classificação.

Uma coisa é certa: tudo isso irá render comentários acalorados, dos pilotos, equipes e fãs, por um bom tempo.

Leia também:

+ Para os livros de história, resta agora saber em qual página
+ Como era Hamilton com mesmo número de corridas de Verstappen
Max Verstappen x Nico Rosberg

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect