Por que a F1 não proíbe logo as corridas na chuva?

Segurança é uma questão importante na categoria, mas ou assumem que não conseguem mais correr com pista molhada ou investem em novas (e não tão novas) tecnologias para permitir alguma competição na chuva

Renan Martins Frade, de São Paulo

A chuva pode não ter sido a mesma de outros tempos, mas Charlie Whiting, responsável pela segurança da categoria, não quis saber: na visão dele, não havia condição para a classificação do GP da Itália, em Monza, após o acidente com Romain Grosjean, da Haas. Desta forma, o circuito ficou fechado por mais de duas horas e meia, até que a atividade em pista fosse retomada. Mesmo que, mais tarde, os carros fossem para a pista em condições piores. 

Muitos se perguntaram: por que esta postura? E outros foram até mais longe: por que não proíbem logo os carros da Fórmula 1 de correrem em pista molhada? Questões justas, claro.

Obviamente, no passado, a categoria competia em condições muito piores. Mas é bom lembrar que antes do advento da aerodinâmica na F1 e, principalmente, dos carros asa, os F1 eram mais altos em relação ao solo. São condições que facilitavam – se é que podemos falar isso sobre aquela época – a pilotagem em pista molhada.

Nos anos 1970, os carros ficaram muito mais rápidos e colados ao chão, é verdade. E isso trouxe novas questões sobre segurança, inclusive em pista molhada – mas foi uma época, também, na qual pilotos passaram a lutar mais por esta segurança, principalmente com os campeões Jackie Stewart e Niki Lauda. Aos poucos, o esporte foi se tornando mais seguro, com menos acidentes graves e o número de mortes foi caindo.

E é aí que chegamos em 2014.

Por muito tempo, a Fórmula 1 acreditou que tinha deixado o fantasma da morte no passado. No entanto, em 5 de outubro de 2014, Jules Bianchi sofreu um forte acidente na pista molhada de Suzuka, no Japão. O piloto francês morreu em 15 de julho do ano seguinte, ainda por conta dos ferimentos causados pela batida. Foi o primeiro acidente fatal na categoria em 20 anos. 

Quer ler esta matéria na íntegra?