Siga-nos

Box

Como foi o GP da França por quem fez a corrida

Não foi só a confusão entre Vettel e Bottas que marcou a corrida: pilotos, equipes e a própria F1 celebraram o retorno à França

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Foi mais uma vitória fácil para Lewis Hamilton. O inglês voltou a liderar a Fórmula 1 em 2018 após a vitória no circuito de Paul Ricard. No entanto, o GP da França foi especial por outros motivos. Depois de uma ausência de dez anos, a maior categoria do automobilismo mundial voltou ao país – justamente onde surgiu o termo “Grand Prix”, incialmente nas corridas de cavalo e depois, a partir do começo do século XX, empregado nas disputas de automóvel.

É também o país com o maior número de representantes no grid: são três franceses – isso sem falar de Charles Leclerc, que é de Mônaco, pequeno país que fica pertinho de Le Castellet, onde fica Paul Ricard. Aliás, o próprio circuito tem o seu significado: ele sediou o GP da França de F1 entre 1971 e 1990, eventualmente alternando com a pista de Dijon.

Todo esse sentimento, entre outras coisas, transpareceu nas postagens feitas por pilotos, equipes e a própria F1 durante a corrida. E foi mais especial para a Mercedes: a equipe alemã, mesmo que não na mesma encarnação, voltou a vencer como construtora da França após 65 anos.

Pré-GP

Os preparativos para a corrida.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect