‘Ayrton Mágico’ no palco da sua morte

Exposição ‘A alma além dos limites’, no Museu de Ímola, se diferencia das grandes narrativas pela simplicidade fina no tom da carreira do tricampeão de F-1. Sem apelar para heroísmos, relembra alguns dos principais momentos do piloto que morreu exatamente ali

André Avelar, Ímola, San Marino

Contar uma história pra lá de conhecida e que neste 1º de maio completa exatos 25 anos requer alguns cuidados especiais. Da repetição à pieguice, a exposição “Ayrton Mágico — a alma além dos limites” se cerca dessas armadilhas e, com uma simplicidade fina, acerta no tom ao relembrar alguns dos principais momentos da carreira de Ayrton Senna. Tudo isso bem no Museu Multimídia ‘Checco Costa’ do Autódromo de Ímola, a poucos metros do local em que morreu o tricampeão mundial de Fórmula 1.

A exposição, a qual o GRANDE PREMIUM esteve na premiere, em San Marino, na Itália, vai até 30 de novembro deste ano. Como bem lembra o curador Matteo Brusa, a mostra é dinâmica, sobretudo, pela exibição temporária de alguns carros do piloto. Na última semana, nos preparativos finais para o ‘Senna Day’, somou-se a uma Williams FW16 1994 uma Lotus 98T 1986.

 

O local bem poderia ser entendido como um ponto não-turístico. Mas não é por aí. Tirar uma foto nesse lugar não é como uma selfie na Catedral de Notre Dame com as chamas ao fundo, para citar um exemplo recente. Com o devido respeito à dor de tantos familiares, amigos, simpatizantes e fãs, o lugar também faz questão de fugir do rótulo de uma meca de peregrinos apaixonados por automobilismo, vindos de diversas partes do mundo. A licença para tanto vem da exata consciência da sua relevância para a história.

Williams FW16, do ano da morte de Ayrton Senna, está exposta no Museu do Autódromo de Ímola
André Avelar/Grande Premium

Até pelas proporções modestas do circuito encravado no singelo Parque Acque Minerali, a exposição permite uma enorme proximidade das peças que vêm e voltam para os seus donos, entre eles, claro, o Instituto Ayrton Senna, mas também grandes colecionadores. Evidentemente que os organizadores já falaram em cerca de 25 mil brasileiros até o final do ano, mas pela tranquilidade agitada do microestado, a 130 quilômetros de Bolonha, a concorrência não deve ser tanta para ver um dos primeiros karts do piloto, alguns dos principais capacetes e até um dos macacões disponíveis para aquele fatídico fim de semana.

“É uma exposição de forte impacto emocional, mas que não se limita a 1994. Aqui você pode ver, ouvir, caminhar para lá e para cá e mergulhar no pensamento do Ayrton”, disse Brusa. “No fundo, é uma exposição mágica.”

Mas mais do que isso, a exposição tem, aí sim permanentemente, históricos arquivos em vídeo, da TV RAI, — aliás, uma das patrocinadoras — em cinco telões que contam de maneira atemporal a obra de Senna. Não há muito de novo propriamente, mas há uma rara oportunidade de ouvir o tricampeão falando em italiano. A conexão do piloto ‘com algo maior’ também foi dita além do inglês e do português. Ainda na exposição, a necessidade de aprender a andar na chuva depois de um desastre em uma corrida sob condições adversas, ganha barulhos de água em uma sala escura.

Exposição 'Ayrton Mágico - A alma além dos limites' fica até 30 de novembro em Ímola
André Avelar/Grande Premium

Ao final de tudo isso, o visitante se dá conta do paradoxo de uma mostra como essa longe do Brasil .O autódromo de Interlagos ainda hoje não suporta um museu permanente; instituto com o nome do piloto ostenta a McLaren MP4/5B 1990, mas tem lá suas funções administrativas e não é propriamente um museu; kartódromo em que Senna passou a brilhar na chuva e no temporal é pouco explorado quando não corre o risco de virar um condomínio residencial… Por tudo isso, nem apelando para heroísmos, a memória tem o seu devido valor.

Já sem exageros em San Marino, a exposição mostra a dita magia nas pistas, mas não a rotula como além de um ser humano, como comumente se faz. A imersiva exposição deixa o visitante à vontade para sentir o que quiser de uma história contada repetidas, e por vezes exageradas, vezes.

SERVIÇO:

Museu Multimídia ‘Checco Costa’ do Autódromo de Ímola

Piazza Ayrton Senna da Silva, 3, em San Marino, na Itália

Segunda, quarta, quinta e sexta-feira das 11h às 19h

Terça-feira das 15h às 19h

Sábado, domingo e feriados das 10h às 20h

Ingressos a partir de 19,06 euros (aproximadamente R$ 83,75, valor inteiro da entrada)

*sujeito à alterações

 

LEIA MAIS:

+ Santo, santo, santo

O outro brasileiro de Ímola 1994

+ Polêmicas que marcaram carreira de Senna

+ Ratzenberger, o gêmeo desigual

+ O que mudou em Ímola 25 anos depois