Prata é a cor mais quente

A Mercedes fechou mais um capítulo vitorioso de sua história na F1. A vitória de Lewis Hamilton no GP do Brasil ajudou a selar o quinto Mundial de Construtores da equipe alemã, que chegou também à marca de 100 poles em Interlagos

Evelyn Guimarães, de São Paulo

 


A F1 desembarcou em Interlagos já com um pentacampeão no grid. Mas restava ainda a disputa da taça dos construtores. E a Mercedes não mediu esforçou para vencer a Ferrari de novo. Lewis Hamilton saiu da pole - a 82ª de sua carreira - para a vitória, selando, assim, o campeonato para o time alemão. A corrida, no entanto, ficou marcada pela 'treta' entre Max Verstappen e Esteban Ocon. Hamilton contou a sorte, é verdade, mas talvez isso só os campeões mesmo tenham.
 


 


Antes do triunfo, a posição de honra. Pela 100ª vez, o carro prata da Mercedes partiu da pole. Com uma volta precisa no Q3 da classificação, Hamilton cravou 1min07s281 - giro que agora é novo recorde do circuito paulistano. Além do #44, Juan Manuel Fangio, Stirling Moss, Nico Rosberg e Valtteri Bottas também ajudaram a esquadra alcançar os três dígitos ao longo da história.

A conquista serve para enaltecer os feitos de Hamilton, hoje o recordista absoluto de pole-positions da F1.
 

E o décimo triunfo da temporada também acabou por assegurar à Mercedes o quinto título do Mundial de Construtores. Desde que a F1 vive a era dos motores V6 híbridos, só a equipe prata vence
Rodrigo Berton/Grande Prêmio

A vitória foi de número 72 da trajetória de Hamilton na pista. Também foi o 50º triunfo do inglês em 99 corridas da era híbrida da F1, o que significa 50,51% das vitórias desde 2014.

 

 

 

 


Para completar, Valtteri Bottas terminou a corrida como dono da melhor volta do GP do Brasil. É a décima vez que isso acontece na carreira do finlandês.
 

 

 

 

Apesar da treta com Esteban Ocon e de ter perdido a chance de vitória por causa do toque com o rival francês, que era retardatário, Max Verstappen cruzou a linha de chegada na segunda colocação, dando à Red Bull o 160º pódio na F1 - o nono do GP do Brasil.
Rodrigo Berton/Grande Prêmio

Fotos: Rodrigo Berton