Quase perfeito

A F1 terminou 2018 com um pentacampeão consagrado e a despedida de um dos maiores nomes da categoria das duas últimas décadas. O Mundial também acaba com números impressionantes de seus protagonistas

Equipe Grande Premium, de Curitiba

 


A F1 encerrou a temporada 2018 com uma corrida mais emotiva do que propriamente disputada. Mas nada disso importou muito diante da imagem emblemática de Lewis Hamilton - grande vencedor da noite em Abu Dhabi e da F1 neste ano - e de Sebastian Vettel escoltando a McLaren de Fernando Alonso após a bandeirada, na emocionante despedida do bicampeão do Mundial. 
 

 

 

 

 

 

 


Ainda assim, Hamilton não deixou de exibir a pilotagem sólida e sem erros que o levou ao pentacampeonato neste ano. O inglês, aliás, foi além neste fim de semana, somando números que já o colocam mais perto do maior vencedor da história.
 

 


Como de costume, Hamilton começou a brilhar no sábado. Com uma volta precisa em 1min34s794, o inglês bateu o companheiro de Mercedes, Valtteri Bottas, para cravar a 11ª pole-position em 21 corridas da temporada 2018.
 

Além do britânico da Mercedes, Sebastian Vettel largou cinco vezes da posição de honra do grid em 2018, enquanto Valtteri Bottas e Daniel Ricciardo conquistaram duas poles cada. Kimi Räikkönen também obteve uma em seu último ano de Ferrari.

 



 


Só que ninguém parece páreo para Lewis em disputas no Q3 da classificação. Assim, o piloto da Mercedes seguiu ampliando seu recorde de poles: em Yas Marina, foi a 83ª da carreira na F1.

Também foi a 52ª pole de Hamilton nas últimas 100 corridas da F1, que coincide exatamente com a era híbrida do Mundial.
 

 

 

 

 

 


Quando caiu a noite em Abu Dhabi, o novo pentacampeão da F1 cruzou primeiro a linha de chegada para celebrar sua 11ª vitória no ano. E a 73ª de sua trajetória na maior das categorias do esporte a motor. Também foi o 47º triunfo largando da pole-position.

Além de Hamilton, Vettel venceu em cinco oportunidades neste ano. Daniel Ricciardo e Max Verstappen subiram ao lugar mais alto do pódio duas vezes cada, enquanto Kimi Räikkönen estourou o champanhe uma vez.


 

 

 

 


A conquista em Abu Dhabi também foi a 87ª da história da Mercedes na F1. E a 52ª do dono do carro #44 com a marca alemã. 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Com a vitória, Hamilton chegou aos 408 tentos na classificação final do campeonato. E se tornou o primeiro piloto a superar a barreira de 400 pontos, desde que a F1 mudou o sistema de pontuação em 2010.

A era dos motores V6 híbridos da F1 completou 100 GPs em Abu Dhabi. Neste tempo, a Mercedes foi quem mais venceu, com 74 vitórias – 51 de Hamilton, 20 de Nico Rosberg e três de Valtteri Bottas. A Ferrari ganhou 14 corridas – 13 de Vettel e uma de Kimi Räikkönen, enquanto a Red Bull, 12 – sete de Daniel Ricciardo e cinco de Max Verstappen.

 

 

 

 


De saída da Red Bull, Daniel Ricciardo disputou em Abu Dhabi seu GP de número 150 na F1.

Em 2019, o australiano vai defender as cores da Renault. 

 

 

 

 

 


Kimi Räikkönen foi outro que encerrou um ciclo em Abu Dhabi. Em sua segunda passagem pela Ferrari, o finlandês disputou 100 GPs. Foram 26 pódios, sete voltas mais rápidas, duas poles e uma vitória.

O campeão do mundo de 2007, com a Ferrari, agora segue a carreira na Sauber, equipe com a qual estreou na F1 em 2001.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


A temporada 2018 foi a primeira da história em que todos os pilotos que começaram o campeonato disputaram todas as corridas.

O mais próximo disso foi em 2008. Não houve mudanças de pilotos, mas a Super Aguri faliu ainda no início do ano, e Takuma Sato e Anthony Davidson perderam seus assentos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


E o adeus de Fernando Alonso rendeu muitas homenagens em Abu Dhabi. Embora sem vitórias ou pódio, o espanhol terminou a temporada como o único piloto que bateu seu companheiro de equipe, Stoffel Vandoorne, em todas as classificações do ano. Foi uma goleada de 21x0.

O #14 encerra também sua jornada pela F1 com dois campeonatos mundiais, conquistados em 2005 e 2006, além de 32 vitórias, 97 pódios, 22 poles, 37 primeiras filas, 23 voltas mais rápidas e 1.899 pontos somados ao longo de 17 temporadas.  
 

Reportagem produzida por Evelyn Guimarães, Fernando Silva, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio.

Fotos: AFP, Mercedes, McLaren e Red Bull Content Pool.