Mercedes AMG Petronas

A Mercedes abre 2016 diante da mesma perspectiva da temporada passada. Grande força da F1 desde o início da nova ‘Era Turbo’, a escuderia prateada chega com pinta de favorita e só mesmo a Ferrari ainda pode ameaçá-la

Fernando Silva, de Sumaré

Avassalador. Assim pode ser definido o domínio da Mercedes na F1 desde a introdução das novas unidades de potência turbo 1,6 L V6 a partir de 2014. Em 38 corridas disputadas, a escuderia prateada triunfou em nada menos do que em 32 GPs. Uma marca que prova o grande trabalho feito em Brackley e em Brixworth, onde são fabricados os melhores motores da F1.

E a receita se mantém para 2016, ano em que a estabilidade do regulamento técnico deixou os carros praticamente idênticos aos do ano passado. E como em time que está ganhando não se mexe, o novo W07 Hybrid é uma evolução do modelo que levou Lewis Hamilton ao tricampeonato no ano passado, com algumas inovações aqui e ali, mas sem perder a essência de competitividade e, principalmente, confiabilidade, fator fundamental e que mostrou ser a maior força da Mercedes nos testes de pré-temporada, com mais de 6 mil quilômetros e sem nenhum problema crônico.

A base do carro foi mantida, assim como a dupla de pilotos. Hamilton chega a 2016 disposto a lutar pelo tetra e entrar de vez para a galeria dos grandes do esporte. Contudo, Nico Rosberg, depois de um grande fim de temporada no ano passado, está sedento para finalmente ter a sua chance de ser campeão do mundo. Se a Ferrari não alcançar a Mercedes, a promessa é de um forte embate entre a dupla, garantindo assim muitas polêmicas nos bastidores e nas pistas.

 

Sedes: Brackley, Inglaterra; Stuttgart, Alemanha
Carro: W07 Hybrid
Motor: Mercedes
Principais dirigentes: Toto Wolff, Paddy Lowe, Niki Lauda
Piloto reserva: Pascal Wehrlein
Em 2015: Campeã Mundial de Construtores (703 pontos)
Melhor resultado: 2 Títulos de Pilotos; 2 Títulos de Construtores
Melhor tempo em Barcelona: 1min23s022 (Nico Rosberg, 3º, pneus macios)

Quer ler esta matéria na íntegra?