Novo regulamento técnico provoca pequena revolução

As tão esperadas mudanças nas normas técnicas dos carros e dos motores deram uma nova dinâmica à F1: mais velocidade, mais desafios. Mas trazem também uma perspectiva de menos ultrapassagens em 2017

Fernando Silva, de Sumaré &
Vitor Fazio, de Porto Alegre

 

Três anos depois da introdução da nova ‘Era Turbo’, a F1 vive uma profunda mudança no seu regulamento técnico em 2017. O conjunto de alterações foi proposto às equipes e aprovado pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) em abril do ano passado, proporcionando aos times cerca de dez meses de trabalho para desenvolver os novos carros.

As negociações sobre o novo regulamento já se arrastavam desde 2015, mas a entidade que rege a F1 finalmente fez valer a sua vontade de colocar na pista carros com uma aderência mecânica muito maior, o que os tornou verdadeiramente mais rápidos — a projeção inicial era de 5s em relação a 2015 — e desafiadores.

Isso mudou não apenas as dimensões e peso dos bólidos, mas também levou a Pirelli a mudar a construção dos seus pneus. O regulamento dos motores também teve suas alterações, sobretudo com a abolição do sistema de tokens, as fichas de desenvolvimento, ajudando as fornecedoras a ter uma liberdade maior para melhorar as unidades motrizes ao longo da temporada.

Trata-se de um cenário completamente diferente em relação a 2016. Na temporada passada, o regulamento técnico ficou praticamente estável, de modo que o visual dos carros foi quase idêntico no comparativo com 2015. Mas, neste ano, com as mudanças nas dimensões dos carros e pneus, o aspecto dos novos modelos ficou do jeito que a FIA e também os fãs da F1 queriam: muito mais agressivo. De fato, os carros deste ano ficaram muito mais bonitos aos olhos de todos.

A seguir, o Guia da F1 2017 disseca as mudanças fundamentais no regulamento técnico: chassi, pneus e motor: conjuntos que, unidos, vão fazer com que os novos carros sejam muito mais agressivos e devem proporcionar uma F1 mais rápida e, talvez, mais empolgante.

 

Quer ler esta matéria na íntegra?