Andretti Autosport

A Andretti precisa mostrar que é a terceira força do campeonato e pode brigar com Penske e Ganassi. O problema está na Honda

Gabriel Curty, de São Paulo &
Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

O começo da Andretti em 2016 é aparentemente melhor do que era quando 2015 se avizinhava. O motor Honda ainda é mais lento que o da Chevrolet, mas a distância agora pode ser mais facilmente encurtada por um bom chassi. A Andretti ainda entra atrás de Penske e Ganassi, mas mostrou alta capacidade de fazer voltas rápidas. A consistência em corrida ainda é o que separa a equipe do título. Agora há também a parceria com a Bryan Herta, que virou um braço do time. Alexander Rossi, ex-F1, irá guiar no #98.

O ano da Andretti foi ficando ligeiramente melhor conforme se aproximou do fim. Ryan Hunter-Reay venceu dois ovais - duas das quatro últimas corridas do ano. Antes, Carlos Muñoz vencera uma das provas em Detroit.

Que o time também se recupere da tragédia fatal de Justin Wilson, que fazia seu primeiro ano na equipe de Michael Andretti quando morreu nas 500 Milhas de Pocono ano passado.Tem tudo para ser um ano mais forte da Andretti.

Sede: Indianápolis, Indiana
Motor: Honda
Principais dirigentes: Michael Andretti e JF Thormann
Melhor Resultado: Campeã de pilotos – 4 vezes (última em 2012)
Resultado em 2015: 6º lugar (Ryan Hunter-Reay), 9º lugar (Marco Andretti) e 13º lugar (Carlos Muñoz)

 

Quer ler esta matéria na íntegra?