Guia FE 2018/19: Piquet espera progresso no segundo ano na Jaguar

O primeiro ano de Nelsinho Piquet na Jaguar até começou bem, mas caiu bastante na segunda parte. Agora, já mais experiente na equipe, começa uma temporada de muitas mudanças na Fórmula E. O objetivo é dar um salto de qualidade para disputar as primeiras posições com frequência

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

Depois do título na temporada inicial, Nelsinho Piquet viveu momentos e dificuldades na categoria. A China foi comprada e não evoluiu como as rivais, empurrando o primeiro campeão para posições inferiores e forçando uma escolha: a saída para a Jaguar. Mas não encontrou moleza na estreia por lá, pelo contrário. Agora, mais acostumado à nova casa e satisfeito com certos traços dos conjuntos que entram em cena, espera voltar a lutar na parte de cima. 

Piquet chegou à Jaguar no ano passado e teve que enfrentar Mitch Evans, que ia para a segunda temporada dele por lá e já conhecia o carro da fábrica inglesa desde antes, ainda durante os primeiros testes. 

Os dois começaram o ano com resultados nivelados, e Nelsinho se saiu até melhor: foram três top-6 nas cinco primeiras corridas do ano. Mas a fase ficou nebulosa na sequência: nas seis corridas seguintes, cinco abandonos e nenhum ponto. Piquet, que chegou a ficar entre os líderes do campeonato, terminou na nona colocação e 17 pontos atrás do companheiro.

Piquet vai para o ano 2 na Jaguar
FE

 

O resultado, em si, e os 51 pontos não incomodam muito. Sempre foi o esperado para a Jaguar no ano passado. Agora, entretanto, com novos carros, o terceiro ano da montadora na categoria dos bólidos elétricos e a segunda de Piquet no time, a cobrança pelos resultados vai ser maior. 

“Estou determinado a aproveitar o progresso da equipe na última temporada e realmente lutar por pontos e pódios em cada corrida", disse em declaração feita por comunicado de imprensa da Jaguar. 

"Mitch e eu temos trabalhado duro neste período entre temporadas para nos familiarizarmos com o Jaguar I-TYPE 3. Estamos ambos prontos para correr e não podemos esperar para começar a temporada", seguiu.

Com as mudanças para esta temporada, há muita coisa diferente. E Piquet gosta da alteração feita nos pneus, agora mais macios e com desgaste mais alto.

"Estamos mais próximos ao que tínhamos da primeira temporada. Os pneus foram muito duros e sensíveis nas temporadas três e quatro. Algumas coisas estranhas estavam acontecendo: você via algumas voltas lentas na classificação, coisas que diminuem a diversão", falou para o site inglês 'E-Racing365'.

 

"Creio que ter esses novos pneus com uma janela maior de desempenho vai tornar a classificação mais interessante e aproximar o pelotão. Além disso, há o fato de que os pneus são mais macios novamente, o que vai fazer com que os pilotos sejam mais cuidadosos durante as corridas", opinou. 

"Essa é uma boa mudança, na minha opinião. Vai fazer com que os pilotos pensem e não forcem muito a barra", destacou.

"Fizemos um stint de corrida num dos dias com o pneu antigo e depois com o novo. O primeiro, com o antigo, a pista estava limpa, mas depois da segunda volta com os novos pneus já tinha pedaços de borracha pelo traçado. Mas isso é bom, porque na corrida você não vai precisar somente gerenciar a energia, mas os pneus também. Estou ansioso para isso

O chefe da Jaguar, James Barclay, é outro que espera crescimento com a continuidade do projeto.

 

“Mal podemos esperar para voltar às corridas e começar a nossa terceira temporada da Fórmula E. Levamos em consideração os aprendizados de nossas duas primeiras temporadas para garantir que o nosso trem de força seja o mais competitivo possível, colocando a Jaguar em um ótimo lugar para o eP de abertura", disse.
 
"Fizemos nossa temporada mais bem-sucedida até hoje em 2017-18, e com a volta de Nelson e Mitch, estou otimista de que temos o time certo e os carros certos para garantir pontos e lutar por pódios em todas as corridas", comentou.

Nos testes de pré-temporada, em Valência, os resultados não foram tão animadores. Ao menos com o desempenho em vista, Piquet e Evans andaram muito pouco na primeira metade na tabela - o brasileiro, então, quase nunca. Mas foi um dos que maior quilometragem somou.

A realidade começa a ser vista neste sábado, em Ad Diriyah.