A outra corrida

Em 1946, a Segunda Guerra Mundial acabara de terminar, as feridas eram muito recentes e a Indy 500 havia passado cinco anos inteiros sem ser realizada. Com uma data marcada, deixar o IMS pronto foi a maior luta

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

A situação era completamente diferente em 1946 do que em qualquer outro momento desde a criação da então Indianapolis International Sweepstakes. Nas três décadas que separaram 1911 e 1941, em todos os anos a corrida estava lá, firme. Mas o ataque à base naval de Pearl Harbor, no Havaí, em 7 de dezembro de 1941, foi o estopim que os Estados Unidos precisavam para entrar oficialmente na Segunda Guerra Mundial.

Parte das forças armadas foi à Europa lutar contra os exércitos nazista e fascista; outra parte, numa guerra pelo menos tão brutal quanto e muito menos conhecida, foi enfrentar os japoneses nas ilhotas do Oceano Pacífico. Com o país em guerra, a corrida parou e o Indianapolis Motor Speedway ficou às traças.

O IMS foi fechado e caía aos pedaços quando foi comprado por Tony Hulman em novembro de 1945, pouco mais de seis meses antes da data que acabou por ser a do retorno da prova, 30 de maio. Com a pista tomada por gramado descontrolado e cheio de ervas daninhas, havia um enorme trabalho a ser feito.

Apesar da administração Hulman ser a mais longa da história - ela segue até hoje por meio de sua família -, o crédito que ele levou pela recuperação da pista foi um tanto quanto irreal. O trabalho de recuperação visual foi feito, com placas e outdoors sendo substituídos, pintura feita em escala industrial e retoques para que o pit-lane e a pista não parecessem a perigo. As arquibancadas foram repostas também, fazendo com que levasse tempo para abrir o autódromo para o público.

Porém a pista, em si, precisou de cuidados de mais gente. Mecânicos andavam nas semanas anteriores ao início das atividades podando, cortando e plantando tipos de gramado que pudessem ajudar com as ervas daninhas. Todos, mecânicos e pilotos, usavam calças estilo cáqui para proteção.

Quer ler esta matéria na íntegra?