Molhando o bico

Hoje é impensável e inacreditável, mas em 1913, outros tempos, e Jules Goux venceu a corrida com goles de champanhe no ínterim. Ganhou por 13 minutos, recorde até hoje, e recebeu sua própria lenda urbana

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro

Antes que a história comece a ser relembrada, se faz necessário um adendo. Este causo é algo que faz parte da aura das 500 Milhas de Indianápolis, uma história que cresceu durante o último século e ganhou contornos muito maiores do que, de fato, foram à época. Dito isso, o GRANDE PREMIUM* garante que não está romantizando e que repudia qualquer caso de direção por motorista alcoolizado. 

A história é da terceira edição da corrida. Em 1913, como já foi lembrado em outra história da série 'Indy 100', o francês Jules Goux se tornou o primeiro piloto não norte-americano a vencer no Indianapolis Motor Speedway. Mas não é a história da corrida que interessa a este capítulo. É a lenda que cresceu em torno disso.

A lembrança mais famosa que ficou na história daquela corrida realizada 103 anos atrás - a primeira versão da Indy 500 pós-naufrágio do Titanic, caso alguém precise de uma referência de quanto tempo faz - foi a escolha de hidratação de Goux. O francês bebeu champanhe para recuperar os eletrólitos perdidos.

Diz a lenda urbana do Brickyard que Goux bebeu seis garrafas de champanhe durante seus pit-stops aquele dia para que ficasse hidratado. Segunda a história, a Aliança Francesa estava em peso assistindo a corrida no IMS e torcendo para Goux e o carro produzido pela Peugeot. Quando parou da primeira vez, pediu que arrumassem champanhe. A equipe recorreu aos companheiros da arquibancada. E, daí em diante, sempre que parava podia se deleitar com uma nova garrafa.

Quer ler esta matéria na íntegra?