Siga-nos

Lado a Lado

Os últimos quarentões no pódio da Fórmula 1

Com pilotos a adentrar no grid do Mundial cada vez mais jovens, é raro ver competidores acima dos 40 no grid e mais difícil ainda no pódio. Foram apenas três nos últimos 30 anos

MICHAEL SCHUMACHER; FÓRMULA 1; GP DA EUROPA; 2012
Michael Schumacher é o 12º mais velho da história da F1 a ir para o pódio (Foto: Daimler)

Nos últimos anos, o fã da Fórmula 1 se acostumou com recordes frequentes de precocidade na maior das categorias do esporte a motor. Impossível não lembrar da vitória de Max Verstappen no GP da Espanha de 2016, com 18 anos, 7 meses e 15 dias, e do primeiro título logrado por Sebastian Vettel, em 2010, com 23 anos, 4 meses e 11 dias. Ao mesmo tempo, são cada vez mais raros os quarentões no grid da Fórmula 1.

Nos últimos 30 anos, apenas quatro pilotos acima dos 40 disputaram ao menos uma etapa do Mundial. São eles: Nigel Mansell, Michael Schumacher, Kimi Räikkönen e o último a entrar na gloriosa galeria, Fernando Alonso.

Dos quatro citados acima, três deles conseguiram ir ao pódio: Mansell, com a vitória no GP da Austrália de 1994 — o último triunfo do ‘Leão’ na F1 —; Schumacher, com o terceiro lugar no GP da Europa, nas ruas de Valência, e por fim Alonso com o top-3 do GP do Catar do último domingo, encerrando assim uma seca de sete anos sem um troféu na Fórmula 1.

A seguir, o GRANDE PREMIUM relembra cada uma dessas histórias e coloca lado a lado os pódios dos quarentões na Fórmula 1.

PÓDIO; GP DA EUROPA; 2012; MICHAEL SCHUMACHER;
Michael Schumacher em um pódio pesado no seu último top-3 na F1 (Foto: Ferrari)

Nigel Mansell, 41 anos, 3 meses e 5 dias, GP da Austrália de 1994

Naquela temporada marcada pela morte trágica de Ayrton Senna no GP de San Marino, a Williams optou por promover David Coulthard, então piloto de testes, à condição de titular do carro #2. Mas o time chefiado por Frank Williams e Patrick Head conseguiu costurar um acordo para trazer de volta um piloto de peso. Nigel Mansell, que não teve seu contrato renovado com a escuderia depois de conquistar o título de 1992, foi para a Indy e defendia a Newman/Haas.

Campeão em 1993, Mansell seguiu nos Estados Unidos na temporada seguinte, mas foi chamado pela equipe que o consagrou para competir em corridas que não conflitavam com sua agenda na Indy. Assim, o ‘Leão’ fez quatro provas com o 2 vermelho: os GPs da França, Europa, Japão e Austrália.

NIGEL MANSELL; WILLIAMS; 1994;
Nigel Mansell já era um quarentão quando venceu pela última vez na F1 (Foto: Forix)

Na corrida que definiu o campeão após disputa polêmica entre Michael Schumacher e Damon Hill, Mansell conquistou a pole-position e se aproveitou da batida entre os dois rivais para vencer, nas ruas de Adelaide, pela última vez na Fórmula 1.

O quarentão britânico voltou a correr no Mundial em 1995 pela McLaren, mas sua estreia foi adiada por um motivo curioso: o piloto simplesmente não coube no cockpit do carro. Mansell fez apenas duas corridas pela equipe, os GPs de San Marino e da Espanha, antes de encerrar sua carreira na Fórmula 1, sem nenhuma pompa.

LEIA TAMBÉM
+Opinião GP: Hamilton ou Verstappen? É impossível indicar favorito na F1

+Hamilton celebra ‘trabalho sólido’ e vitórias numa ‘temporada e tanto’
+Verstappen festeja ponto extra no Catar e prevê ‘luta acirrada até fim’

Michael Schumacher, 43 anos, 5 meses e 21 dias, GP da Europa de 2012

Aquela que foi uma das maiores exibições da carreira de Fernando Alonso também representou a última vez em que um dos maiores pilotos de todos os tempos, Michael Schumacher, escalou o pódio na Fórmula 1.

No último ano do seu contrato com a Mercedes, o heptacampeão do mundo alcançou o top-3 do GP da Europa com um misto de sorte e competência nas últimas voltas da corrida.

Depois de ter largado em 12º, Schumacher conseguiu ganhar posições importantes depois do seu último pit-stop, deixou para trás a McLaren de Jenson Button, a Sauber de Sergio Pérez e as Force India de Paul di Resta e de Nico Hülkenberg.

MICHAEL SCHUMACHER; FÓRMULA 1; GP DA EUROPA; 2012
Michael Schumacher é o 12º mais velho da história da F1 a ir para o pódio (Foto: Daimler)

Schumacher era o quinto colocado quando Pastor Maldonado e Lewis Hamilton, que lutavam por posição, se enroscaram nas voltas finais da corrida. O então piloto da McLaren abandonou, enquanto o venezuelano caiu para o décimo lugar. Schumacher, então, assumiu a terceira colocação e formou um pódio pesado ao lado de Alonso e Kimi Räikkönen, da Lotus.

Schumacher é o 12º colocado na lista dos pilotos mais velhos a conquistarem um pódio na F1. O topo da lista é ocupado por Luigi Faglioli graças à vitória compartilhada com Juan Manuel Fangio no GP da França de 1951.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Fernando Alonso, 40 anos, 3 meses e 23 dias, GP do Catar de 2021

O mais curioso da conquista inesperada de Fernando Alonso, bicampeão mundial em 2005 e 2006 na Fórmula 1, é que o piloto simplesmente desacreditou que subiria ao pódio ainda nesta temporada 2021. A ponto de pedir, de forma enfática, que não esperassem nenhum pódio da parte dele neste ano.

Mas eis que o próprio piloto foi surpreendido pelo destino. Na temporada que marcou seu regresso ao Mundial depois de dois anos sabáticos, Alonso vivenciou um ano de altos e baixos, ajudou o companheiro de Alpine, Esteban Ocon, a vencer na Hungria. Fernando fez boas atuações, mas não conseguiu fazer mais em razão da limitação do carro nesta reta final de campeonato.

FERNANDO ALONSO; F1; FÓRMULA 1; ALPINE;
Fernando Alonso é o mais novo quarentão no pódio da F1 (Foto: Alpine)

Só que Alonso fez uma grande classificação no sábado em Losail e conquistou a quinta posição no grid. Depois, foi beneficiado pelas punições impostas a Valtteri Bottas e Max Verstappen porque os pilotos aceleraram em trecho sinalizado por bandeiras amarelas. Fernando, então, largou em terceiro, atrás de Lewis Hamilton e Pierre Gasly.

Ao longo da corrida, Alonso mostrou ritmo muito bom e quase sempre andou entre os três primeiros. A Alpine arriscou ainda com a estratégia de apenas uma parada — e bota risco nisso, já que Bottas, por exemplo teve um pneu furado —. A tática deu certo, Ocon retribuiu a ajuda ao frear o avanço da Red Bull de Pérez e ajudou Alonso a ser o mais novo quarentão no pódio da F1.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect