Siga-nos

Lado a Lado

Estreantes vencedores na Ganassi

Álex Palou, Dan Wheldon e Michael Andretti são os únicos pilotos que venceram na estreia pela Ganassi. Hoje, o Lado a Lado relembra o contexto que fez cada um chegar ao time

Palou lidera o campeonato da Indy (Foto: Indycar)

Álex Palou iniciou a trajetória na Chip Ganassi Racing com o pé na porta. O piloto catalão surpreendeu e venceu o GP do Alabama da Indy, realizado no último domingo (18), superando veteranos campeões e favoritos. O feito do espanhol pela equipe é tão incrível que apenas outros dois pilotos também estrearam por uma das equipes mais populares e famosas da Indy com vitórias.

Hoje, o GRANDE PREMIUM coloca os três no Lado a Lado, relembrando as trajetórias anteriores até o primeiro triunfo pela Ganassi.

Álex Palou

Palou venceu com a Ganassi no Alabama (Foto: Indycar)

Hoje com 24 anos, Palou teve a trajetória clássica de qualquer jovem piloto do automobilismo europeu. Trocou o kart pelos monopostos ainda na adolescência e passou a correr em categorias de base em seu país natal, a Espanha. Com o vice-campeonato da F3 espanhola em 2014, rapidamente chamou a atenção e entrou no radar da Fórmula 1, competindo na GP3 a partir de 2015.

Apesar de conquistar uma vitória em Yas Marina, a trajetória de Palou na GP3 não chamou tanta atenção. Uma oportunidade de subir para a Fórmula 2 só surgiu ao fim de 2017, e como substituto.

Sem sucesso na Europa, passou a olhar melhor para outros mercados, especialmente o japonês. Em 2019, depois de experiências anteriores no país, teve a oportunidade de correr na Super Fórmula, terminando no terceiro lugar após uma briga apertada pelo título até o fim.

Em 2020, foi anunciado pela Dale Coyne para correr na Indy. Mesmo com alguns problemas em ovais, surpreendeu com um bom pódio em Elkhart Lake. Com a saída de Felix Rosenqvist para a McLaren, uma porta se abriu no #10 da Ganassi, onde já ganhou o GP do Alabama após largar do terceiro lugar e emplacar uma excelente estratégia.

Dan Wheldon

Dan Wheldon venceu na estreia pela Ganassi em Miami (Foto: Indycar)

O inglês Dan Wheldon chegou na Ganassi em um contexto muito diferente de Palou. Após se destacar nas categorias locais na Inglaterra, ganhou a oportunidade de se mudar aos Estados Unidos para competir em categorias menores. Vice-campeão da Indy Lights em 2001, estreou na categoria principal em 2002.

Inicialmente, o piloto não correria em 2003, mas uma vaga surgiu na Andretti após Dario Franchitti lesionar a vértebra em um acidente de moto na Escócia. Após uma temporada de adaptação e sem muitos resultados impressionantes, brilhou em 2004. O piloto venceu três corridas e somou outros oito pódios, que só não foram suficientes para o título por conta da temporada mágica de Tony Kanaan, que completou todas as voltas do campeonato e saiu com o caneco.

O cenário em 2005 foi diferente. Com quatro vitórias nas primeiras cinco corridas, incluindo as 500 Milhas de Indianápolis, não deu margem de recuperação para Kanaan e levantou a Astor Cup.

Em fim de contrato com a Andretti, acertou a ida para a Ganassi em 2006. Logo na estreia, uma disputa insana contra Helio Castroneves em Homestead-Miami, que terminou com a vitória após ultrapassagem na última volta. Dan voltaria a vencer na última etapa do ano, em Chicagoland, mas o título escapou para Sam Hornish Jr. no desempate.

Wheldon ficaria mais dois anos na Ganassi e venceria mais três corridas, porém, deixou o time antes mesmo da última corrida de 2008 ao descobrir que não estava nos planos para a temporada seguinte, assinando com a Panther.

Em 2011, já fora do grid e correndo pela Brian Herta Autosport, Dan venceu a Indy 500 pela segunda vez ao se aproveitar da batida de J.R. Hildebrand na última volta da corrida. Sofreu um acidente fatal na corrida final daquela temporada, disputada em Las Vegas, quando foi convidado pela Schmidt Peterson.

Michael Andretti

Michael Andretti na Indy 500 de 1994 pela Ganassi (Foto: Indycar)

Michael Andretti é um nome histórico na Indy, seja como piloto ou chefe de equipe. Filho de Mario, desembarcou na categoria aos 21 anos, em 1983, e se destacou pela Kraco Racing, batendo na trave do título duas vezes contra Bobby Rahal em 1986 e 1987.

Mas foi com a Newman Haas que Michael chegou ao topo, em 1991. O destaque do piloto foi tão grande que após outro vice para Rahal, em 1992, recebeu o chamado da Fórmula 1. Assinou com a McLaren para ser companheiro de Ayrton Senna em 1993.

O experimento se provou um desastre. Michael bateu mais do que completou corridas, e teve o vínculo encerrado mesmo com o pódio que registrou no GP da Itália, sua última corrida na Fórmula 1. O desejo era de retornar para Indy em 1994, mas não tinha espaço na equipe antiga, com a dupla formada pelo inglês Nigel Mansell e o pai Mario. Logo, deu uma chance para a Ganassi, que ainda era uma equipe de meio de pelotão.

Em sua estreia, venceu o GP da Austrália, disputado em Surfers Paradise, liderando todas as voltas. Foi a primeira vitória da Ganassi na Indy. Michael viria a vencer novamente em Toronto, e terminou o campeonato no quarto lugar. Com a aposentadoria do pai e o retorno de Mansell para a Fórmula 1, trocou a Ganassi pela Newman Haas para 1995.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect