Siga-nos

Lado a Lado

Os ex-F1 na Indy

Romain Grosjean repete o que fez Marcus Ericsson em 2019 e sai da Fórmula 1 para a Indy após muito tempo. No entanto, o francês tem um peso bem maior que o do sueco na época

Romain Grosjean, Haas, acidente GP do Bahrein 2020,
Romain Grosjean vai para a Indy (Foto: Reprodução/Twitter/@HaasF1Team)

O movimento de pilotos com bagagem de Fórmula 1 indo para a Indy é uma tendência dos últimos anos. Em 2021, uma das grandes notícias da categoria americana é a chegada de Romain Grosjean, experiente nome que encerrou seu vínculo com a Haas em 2020.

A chegada de Grosjean é, sem dúvida, um ponto de exclamação em uma relação que deve ir ganhando força a cada ano que passa. Kevin Magnussen, ex-companheiro do francês na Haas, foi outro que revelou ter interesse na Indy e pode chegar nas próximas temporadas, bem como Sergio Pérez, que namorou a categoria antes de acertar com a Red Bull na F1.

A transição direta de F1 para Indy é tendência nas últimas temporadas e Fernando Alonso tem seu papel importante nisso, afinal, resolveu deixar o GP de Mônaco de lado e se arriscar na Indy 500 em 2017. Mas outro nome merece destaque: Marcus Ericsson, que saiu da F1 após cinco anos e se juntou imediatamente ao grid da Indy em 2019, algo que parecia até meio fora de moda.

Marcus Ericsson reabriu portas na Indy (Foto: IndyCar)

Ericsson nunca foi um nome de prestígio no Mundial e seu talento foi contestado diversas vezes, mas sua passagem pela Indy é bastante honesta e significativa: mostrou que dava para ser feliz em outro continente na temporada completa. E chamou a atenção, por exemplo, de Grosjean.

Um paralelo possível entre os dois é que ambos chegam à Indy por times medianos. Marcus assinou, em 2019, com a Schmidt Peterson, enquanto Romain veste as cores da Dale Coyne. Só que, de novo, Ericsson mostra que há um caminho ali, afinal, hoje defende a Ganassi, atual campeã.

O GRANDE PREMIUM, assim, resolveu colocar os dois Lado a Lado, comparando o impacto de cada uma das chegadas ao grid da Indy. Se o momento de ambos na F1 não era dos melhores, as carreiras nem se comparam. E é justamente por isso que a perspectiva é que Grosjean deixe ainda mais escancaradas as portas que Ericsson reabriu lá atrás.

Romain Grosjean teve, sim, bela passagem pela F1 (Foto: Reprodução)

Romain Grosjean:

34 anos
10 temporadas de F1
10 pódios
391 pontos
179 largadas
Na F1 2020: 19º colocado com 2 pontos pela Haas
Melhor colocação: 7º, em 2013, pela Lotus
Fora da F1: Campeão da GP2 2011, campeão Auto GP 2010, campeão F3 Europeia 2007

Marcus Ericsson em 2019:

28 anos
5 temporadas de F1
0 pódio
18 pontos
97 largadas
Na F1 2018: 17º colocado com 9 pontos pela Alfa Romeo
Melhor colocação: 17º, em 2018, pela Alfa Romeo
Fora da F1: 6º na GP2 2013, 4º no GP de Macau de 2009 e 5º na F3 Britânica em 2008

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect