Siga-nos

Lado a Lado

Jack Miller 2021 x Francesco Bagnaia 2022

Jack Miller chegou ao ano passado como favorito na MotoGP e não correspondeu. Agora, em 2022, é a vez de Francesco Bagnaia, seu companheiro de equipe. O GRANDE PREMIUM compara a situação dos dois pilotos da Ducati diante das pressões

Francesco Bagnaia (Foto: Divulgação/MotoGP)
GUIA MOTOGP 2022: FAVORITOS, NOVATOS E PALPITES PARA TEMPORADA

Chegar ao início do campeonato como grande favorito é uma responsabilidade que muitos pilotos não conseguem lidar. A pressão por resultados acaba tornando-se algo negativo, mas também pode servir de motivação.

Assim como no ano passado, um piloto da Ducati chega como destaque na MotoGP e o GRANDE PREMIUM analisa a situação de cada um deles no Lado a Lado de hoje.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Jack Miller não conseguiu brigar pelo título da MotoGP 2021 (Foto: Ducati)

Jack Miller – 2021

Em 2021, a MotoGP desembarcou no Catar para os testes de pré-temporada totalmente cercada de incógnitas. A categoria realizava os primeiros testes durante a pandemia e não tinha a certeza do retorno de Marc Márquez, nem sabia se Joan Mir conseguiria defender o título do ano anterior.

Após as primeiras sessões em Lusail, a Ducati mostrou que seria a moto a ser batida ao longo da temporada, algo que se provou correto depois dos títulos mundiais de Equipes e Construtores. Entre os pilotos, Jack Miller foi quem saiu com mais destaque.

Com experiência na classe rainha do Mundial de Motovelocidade, o australiano faria a estreia pela equipe de fábrica da Ducati cercado de expectativas. Na rodada dupla no Catar, porém, sofreu com o problemas físicos no braço.

Quando a categoria chegou na Europa, os resultados voltaram e Miller conseguiu duas vitórias seguidas, em Jerez e Le Mans. Depois disso, porém, apenas mais três pódios e vários resultados decepcionantes. Enquanto isso, Francesco Bagnaia, seu companheiro de equipe, chegou a brigar pelo título, tomando o posto de primeiro piloto da montadora italiana.

Francesco Bagnaia é o novo grande nome da Ducati na MotoGP (Foto: Ducati)

Francesco Bagnaia – 2022

Pecco foi ganhando espaço na Ducati aos poucos em 2021. Sem tanta moral quanto o companheiro Jack Miller, marcou a pole-position na abertura o campeonato e foi ao pódio no dia seguinte. A consistência, apesar de alguns erros bobos, o colocaram rapidamente entre os primeiros na tabela de pontos.

Mas foi só na metade final do certame que Bagnaia colocou as garras de fora. Nas últimas seis corridas, marcou 5 poles e conseguiu 4 vitórias. Mesmo assim, não foi suficiente para impedir o título de Fabio Quartararo.

Apesar disso, terminou o ano em alta, em sintonia com a moto Demosedici e como o nome a ser batido em 2022, com mais moral até mesmo que o campeão Quartararo. A boa fase fez com que a Ducati sonhasse que, neste ano, finalmente vai quebrar o jejum no Mundial de Pilotos, que não é conquistado por um competidor da montadora italiana desde 2007, com Casey Stoner.

Os testes de pré-temporada mostraram que, sim, Bagnaia e Ducati serão protagonistas neste ano. Resta saber se o italiano vai sofrer com a pressão como aconteceu com o companheiro Miller no ano passado ou se vai manter-se calmo para fazer história na MotoGP.

GUIA DA MOTOGP 2022
MotoGP abre era pós-Rossi com menu extenso e pratos para lamber os beiços
MotoGP mantém estabilidade e só tem mudanças pontuais no regulamento
Acosta chega forte, mas Moto2 é livro aberto na busca por protagonista
Volta de Carrasco e estreia de Moreira deixam olhos atentos à Moto3
Aprilia dá novo passo e mira protagonismo de novo status na MotoGP
Yamaha ainda sofre com motor, mas busca evolução na MotoGP
Aprilia dá novo passo e mira protagonismo de novo status na MotoGP
Quartararo sai da glória de campeão para a luta de se manter no topo
Sem ícone máximo, MotoGP tem de descobrir novo mundo em era pós-Rossi

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect