Equipes e pilotos LMP1

A principal e mais rápida classe em disputa nas 24 Horas de Le Mans tem favoritismo enorme da Toyota, Fernando Alonso como a grande estrela e Bruno Senna em um dos protótipos não-híbridos

Rodrigo Mattar, do Rio de Janeiro &
Fernando Silva, de Sumaré

REBELLION RACING
 

Sede: Farnborough, Inglaterra
Carro: Rebellion R13
Motor: Gibson GL458 4,5 litros V8
Em 2018/19: 2ª colocada na LMP1
Vitórias: 13 na LMP1 (protótipos não-híbridos) e 4 na LMP2

Campeã mundial da classe LMP2 na temporada anterior, a Rebellion Racing voltou à divisão principal de Protótipos com uma adaptação do chassi Oreca 07 ao regulamento LMP1 e com uma tripulação de bons pilotos. Além de reunir três campeões do WEC num só carro, a equipe anglo-suíça apostou na velocidade dos talentosos Gustavo Menezes e Thomas Laurent. Foram premiados com alguns pódios e uma inesperada vitória em Silverstone, quando os dois Toyota foram excluídos por infrações técnicas. A equipe processou uma mudança no carro #3, trazendo Nathanaël Berthon para a vaga de Mathias Beche.

Pilotos do carro #1

 

ANDRE LOTTERER

19 de novembro de 1981 (37 anos), Duisburg, Alemanha
Graduação: Platina

56 provas
10 vitórias
34 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 10
Melhor resultado: vencedor em 2011, 2012 e 2014

Andre Lotterer seguiu na LMP1 para defender sua terceira equipe após guiar para as alemãs Audi e Porsche. Foi ao pódio sete vezes em 2017, mas não venceu. Quebrou em Le Mans justamente quando liderava a corrida. Rápido e muito experiente – principalmente com Protótipos, é o piloto principal de sua nova escuderia. Abandonou o automobilismo japonês para se dedicar mais às provas longas e à Fórmula E, onde defende a Techeetah. Em 10 participações nas 24 Horas, ganhou em três oportunidades, sempre pela Audi.

 

NEEL JANI

8 de dezembro de 1983 (35 anos), Rorschach, Suíça
Graduação: Platina

52 provas
4 vitórias
23 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 10
Melhor resultado: vencedor em 2016

Um dos pilotos a fazer parte da primeira vitória da Porsche no projeto recém-encerrado no WEC (em Interlagos, no ano de 2014), Jani regressou à antiga casa pela qual esteve até 2013. Tem no currículo o triunfo nas 24h de Le Mans de 2016, naquela ocasião em que a Toyota perdeu a vitória nos últimos minutos. Ao volante de um 919 Hybrid modificado, o suíço quebrou o recorde do circuito de Spa-Francorchamps, mostrando o nível que um Protótipo LMP1 poderia chegar, não fossem as restrições impostas pela FIA. Faz sua despedida do FIA WEC nas 24h de Le Mans, já que foi requisitado pela Porsche para disputar a temporada #6 da Fórmula E.

 

BRUNO SENNA

15 de outubro de 1983 (35 anos), São Paulo, Brasil
Graduação: Platina

34 provas
9 vitórias
21 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 6
Melhor resultado: 4º lugar em 2018

Sobrinho do tricampeão mundial de Fórmula 1 Ayrton Senna, Bruno Senna tem feito uma bonita carreira no Endurance. Após colaborar com a Aston Martin, o piloto de 35 anos disputou os dois últimos campeonatos com protótipos LMP2, conquistando o vice-campeonato em 2016 e o título no último campeonato, numa recuperação sensacional. Foi o primeiro campeonato conquistado por Bruno em 14 anos de carreira. Será a sétima aparição do piloto de 35 anos em Le Mans, ainda buscando o primeiro pódio em La Sarthe. Ano passado, chegou em quarto lugar.

 

Pilotos do carro #3

 

THOMAS LAURENT

4 de maio de 1988 (21 anos), La Roche-sur-Yon, França
Graduação: Ouro

16 provas
4 vitórias
8 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 2
Melhor resultado: 2º lugar em 2017

Com apenas 21 anos, Thomas Laurent é uma das grandes revelações do WEC. Foi do Kart direto para os Esporte-Protótipos, primeiro na série Road To Le Mans, passando aos LMP3 e depois aos LMP2, via Jackie Chan DC Racing. Em sua primeira temporada, mostrou categoria de veterano. Suas performances chamaram a atenção da antiga rival, a Rebellion, que o trouxe para a LMP1.

Na prova de estreia em Sarthe, de cara, conquistou o vice-campeonato geral e a vitória entre os protótipos de sua categoria. Fará sua corrida de despedida do time suíço nesta última prova da Super Season, já que assinou com a Toyota para ser piloto reserva e de testes. Como os japoneses determinam que ele não poderá permanecer na LMP1, Thomas deve voltar à LMP2 no próximo campeonato.

 

GUSTAVO MENEZES

19 de setembro de 1994 (24 anos), Los Angeles, EUA
Graduação: Ouro

25 provas
6 vitórias
15 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 3
Melhor resultado: 3º lugar em 2018

Filho de brasileiros radicados há anos nos EUA (seu pai chegou a ser jogador do Internacional de Porto Alegre), Gustavo Menezes disputa seu terceiro campeonato no Mundial de Endurance. Correu na Star Mazda, Fórmula Renault e F3 alemã e europeia antes de ingressar no WEC pela equipe Signatech-Alpine, que defendeu nas duas primeiras temporadas, antes de ser contratado pela Rebellion. Em 2016, venceu as 24h de Le Mans em sua categoria.

 

NATHANAËL BERTHON

1º de julho de 1989 (29 anos), Romagnat, França
Graduação: Ouro

7 provas
Nenhuma vitória
2 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 5
Melhor resultado: 10º lugar em 2016

 

Piloto de poucas aparições no WEC – sete ao todo, somente – o francês Nathanaël Berthon fechou com a DragonSpeed para disputar as duas primeiras provas da Super Season em Spa e Le Mans, assinando posteriormente com a Rebellion para ocupar o posto de Mathias Beche até o fim da Super Season. Em sua carreira, alcançou poucas vitórias nos monopostos, teve uma participação ruim na Fórmula E, e alguns resultados razoáveis no Endurance, com cinco aparições nas 24h de Le Mans em seu currículo, tendo um décimo lugar como melhor performance. O único título na carreira foi no Trophée Andros, competição de Rallycross no gelo e na neve, há dois anos.

.
.

BYKOLLES RACING
 

Sede: Greding, Áustria
Carro: ENSO CLM P1/01
Motor: Gibson GL458 4,5 litros V8
Em 2018/19: 4ª colocada na LMP1
Vitórias: 3 na LMP1 (protótipos não-híbridos)

O time de Colin Kölles não ficou satisfeito com os resultados na Super Season. De novo, a falta de confiabilidade afetou o conjunto e, mesmo após um quarto posto na abertura em Spa-Francorchamps e a quinta posição em Fuji, a equipe sediada em Greding radicalizou e mudou o fornecedor de motor, trocando o duvidoso Nissan biturbo pelas unidades Gibson V8 com aspiração normal. Esperam ter melhor sorte no fim do campeonato, já que na última 24h de Le Mans, acabaram fora por conta de um forte acidente.

Pilotos do carro #4

 

OLIVER WEBB

20 de março de 1990 (29 anos), Manchester, Inglaterra
Graduação: Ouro

26 provas
1 vitória
7 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 5
Melhor resultado: 7º lugar em 2014

Terceiro colocado na Fórmula Renault e F3 britânica em 2009 e 2010, Oliver Webb perambulou sem sucesso pela extinta World Series V8 e até pela Indy Lights antes de ingressar nas provas de Endurance. Ajudou a Signatech-Alpine a levar o título do ELMS em 2014, além de conquistar um pódio na LMP2 em sua estreia em Le Mans, conquistando o 7º posto geral como melhor resultado em quatro participações. No WEC, estreou no ano seguinte pela equipe Morand e está em seu terceiro campeonato defendendo a ByKolles Racing.

 

PAOLO RUBERTI

22 de abril de 1975 (44 anos), Legnago, Itália
Graduação: Ouro

36 provas
4 vitórias
7 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 6
Melhor resultado: 19º lugar em 2009

Após um longo período ausente do Mundial de Endurance e das 24h de Le Mans, o experiente italiano Paolo Ruberti voltou aos cockpits na etapa de Spa-Francorchamps e acabou escalado para compor a tripulação do carro #4 em La Sarthe. Será a primeira experiência do piloto de 44 anos com Esporte-Protótipos no clássico evento francês. Nas cinco aparições anteriores, competiu com modelos Grã-Turismo e em duas oportunidades foi 2º colocado – ambas na antiga classe LMGT2. Em 2009, alcançou seu melhor resultado geral com a Ferrari 430 GT da equipe BMS Scuderia Italia.

 

TOM DILLMANN

6 de abril de 1989 (30 anos), Mulhouse, França
Graduação: Ouro

8 provas
1 vitória
1 pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 1
Melhor resultado: não terminou em 2018

Aos 30 anos, o francês Tom Dillmann tem aparições esporádicas no Mundial de Endurance – oito ao todo – defendendo Signatech-Alpine, Extreme Speed Motorsports e agora a ByKolles, com direito a um triunfo na estreia, em Xangai, no ano de 2015. No já vasto currículo de uma carreira iniciada aos 15 anos de idade, em 2004, constam o título da F-3 alemã e a conquista da World Series V8, em 2016, além de disputar o ABB FIA Formula E Championship sem muito sucesso pela equipe chinesa NIO. Fez sua estreia em Le Mans ano passado, mas o acidente com Dominik Kraihamer no começo da disputa frustrou seus planos.

.
.

TOYOTA GAZOO RACING
 

Sede: Colônia, Alemanha
Carro: Toyota TS050 Hybrid
Motor: Toyota 2,4 litros V6 Turbo
Em 2018/19: Campeã na LMP1
Vitórias: 22

Única fabricante oficial a sobreviver na classe LMP1 para a Super Season, a Toyota conseguiu superar o seu grande desafio logo na edição passada das 24h de Le Mans. Após uma longa espera, o construtor japonês repetiu o feito da Mazda e enfim conquistou a tão sonhada vitória. E logo com o carro daquele que foi o maior investimento em material humano para este ano: o bicampeão de Fórmula 1 Fernando Alonso, o grande destaque da temporada.

Lidando muito bem com a pressão de contar com o espanhol e também da vitória inédita, a Toyota foi soberana. Venceu todas as corridas na pista, mas acabou falhando a vistoria técnica em Silverstone e foi desclassificada – com os dois carros. Não fosse por este detalhe, e os dois carros teriam varrido a concorrência dos times não-oficiais antes desta edição da clássica prova francesa – na qual são francos favoritos.

Pilotos do carro #7

 

MIKE CONWAY

19 de agosto de 1983 (35 anos), Bromley, Inglaterra
Graduação: Platina

44 provas
7 vitórias
18 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 5
Melhor resultado: 2º lugar em 2016 e 2018

Campeão inglês de Fórmula 3 – derrotando Bruno Senna – e vencedor do GP de Macau em 2006, Mike Conway chegou ao Endurance após uma participação irregular na Indy, onde conquistou quatro vitórias pelas equipes Andretti, Dale Coyne e ECR, além de ficar marcado por dois acidentes gravíssimos nas 500 Milhas de Indianápolis.

No WEC, onde corre desde 2013, teve resultados mais expressivos na LMP2 do que na classe principal. Defende a Toyota desde 2014, com três vitórias pela marca. Vai para sua sexta participação em Le Mans, onde fez parte da tripulação que chegou em 2º lugar na dolorosa derrota da Toyota em 2016 para a Porsche. Repetiu o resultado no ano passado junto a Pechito López e Kamui Kobayashi.

 

KAMUI KOBAYASHI

13 de setembro de 1986 (32 anos), Amagasaki, Japão
Graduação: Platina

33 provas
3 vitórias
17 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 5
Melhor resultado: 2º lugar em 2016 e 2018

Kamui Kobayashi vai para seu terceiro campeonato como piloto da Toyota no WEC após passar pela competição em 2013 pela AF Corse com uma Ferrari LMGTE-PRO. O japonês mais querido pelos fãs da velocidade disputou 75 GPs de Fórmula 1 por Toyota, Sauber e Caterham, conquistando um 3º lugar em casa, no ano de 2012, como melhor resultado. Chegou até a fazer vaquinha para continuar a competir, mas quando voltou, pegou uma equipe que não lhe deu condições de fazer um bom trabalho.

Hoje, “Koba San” divide seu tempo entre WEC e Super Fórmula. Em 2017, fez uma pole position avassaladora para as 24h de Le Mans, quebrando um recorde que durou 32 anos e fazendo a pista, que tem duas chicanes no retão Les Hunaudières, à média de 251,882 km/h.

 

JOSÉ MARÍA LÓPEZ

26 de abril de 1983 (36 anos), Río Tercero, Argentina
Graduação: Platina

15 provas
2 vitórias
6 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 2
Melhor resultado: 2º lugar em 2018

Participante da primeira temporada da história da GP2 Series (hoje Fórmula 2) em 2005, José María López não conseguiu chegar à Fórmula 1, por conta do malogro do projeto USF1, que nunca saiu do papel. O jeito foi dar sequência na carreira nas competições de Turismo, vencendo no TC2000 em seu país e se consagrando tricampeão mundial do WTCC com 29 vitórias naquela categoria. Em seu primeiro ano no Endurance, errou bastante e só conquistou dois pódios, em Fuji e em Nürburgring. Mas melhorou a olhos vistos na Super Season, vencendo duas corridas e chegando a Le Mans com chances matemáticas – embora retóricas – de lutar pelo título.

 

Pilotos do carro #8

 

FERNANDO ALONSO

29 de julho de 1981 (37 anos), Oviedo, Espanha
Graduação: Platina

7 provas
4 vitórias
6 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 1
Melhor resultado: vencedor em 2018

Fernando Alonso fez bonito em sua primeira temporada no Mundial de Endurance. Mesmo sem concorrência, exceto a do outro carro da Toyota, desempenhou muito bem o papel de estrela da companhia e fez parte da trinca que quebrou o tabu incômodo da montadora japonesa de jamais vencer em Sarthe.

Agora, antes de dar um tempo do WEC, o asturiano bicampeão da Fórmula 1 tem grandes possibilidades não só de se consagrar campeão mundial pela terceira vez na carreira como de também vencer em La Sarthe pelo segundo ano seguido. O último objetivo a alcançar na busca da Tríplice Coroa será as 500 Milhas de Indianápolis – e Fernando terá que esperar um pouco mais, face a desclassificação vexatória no Bump Day da última edição da corrida dos EUA.

 

SEBASTIÉN BUEMI

31 de outubro de 1988 (30 anos), Äigle, Suíça
Graduação: Platina

50 provas
13 vitórias
24 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 7
Melhor resultado: vencedor em 2018

Sebastién Buemi é hoje um dos mais experientes pilotos do WEC. Um dos únicos remanescentes da equipe Toyota desde o início do projeto em 2012, foi campeão mundial em 2014 e vice ano passado. Curiosamente, em 2017 venceu mais corridas (cinco) do que quando levantou o caneco do Mundial de Endurance. Também tem sido muito bem-sucedido na Fórmula E, conquistando o título da segunda temporada (2015-16). Na Fórmula 1, disputou 55 GPs pela Toro Rosso e marcou 29 pontos na carreira. Disputará as 24h de Le Mans pela oitava vez, tendo sido parte da histórica vitória da marca no ano passado – e agora, está a caminho do seu segundo título nas competições de resistência.

 

KAZUKI NAKAJIMA

11 de janeiro de 1985 (34 anos), Okazaki, Japão
Graduação: Platina

44 provas
10 vitórias
21 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 7
Melhor resultado: vencedor em 2018

Filho mais velho de Satoru Nakajima, lenda viva do esporte a motor do Japão, Kazuki é um verdadeiro ‘fominha’ das pistas. Desde que deixou a Fórmula 1 após duas temporadas completas, 36 GPs disputados pela Williams e somente nove pontos somados, dividiu seu tempo entre Super Fórmula (campeão em 2012 e 2014), Super GT e WEC (agora, mais nestas duas últimas), sempre ligado à Toyota.

De suas 10 vitórias no Mundial de Endurance, três foram no circuito de Fuji, casa da montadora que defende. Em 2017, fez sua melhor temporada na categoria e ficou com o vice-campeonato. Venceu em Le Mans na sua sétima aparição em La Sarthe e pode conquistar seu primeiro título na categoria.

.
.

DRAGONSPEED
 

Sede: Signes, França e Delray Beach, EUA
Carro: BR Engineering BR01
Motor: Gibson GL458 4,5 litros V8
Em 2018/19: 5ª colocada na LMP1
Vitórias: 1 na LMP2

 

Única equipe do WEC a fazer um programa de LMP1 e LMP2, a DragonSpeed estreou na divisão principal com o novo protótipo BR Engineering, desenvolvido em conjunto com a Dallara, na Itália, a mando do milionário russo Boris Rotemberg. Sob o comando de Elton Julian, a escuderia tentou fazer uma boa temporada na turma de cima, mas houve uma série de dificuldades ao longo do campeonato, que impossibilitaram aos pilotos do time com sede europeia na França de tentar obter resultados significativos.

Ano passado, terminaram as 24h de Le Mans de fora da disputa, após um acidente. Não voltarão ao campeonato na classe principal na temporada 2019/20.

Pilotos do carro #10

 

BEN HANLEY

22 de janeiro de 1985 (34 anos), Manchester, Inglaterra
Graduação: Ouro

11 provas
Nenhuma vitória
1 pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 2
Melhor resultado: 14º lugar em 2017

Excelente kartista, com títulos mundiais no currículo, o britânico Ben Hanley disputa sua primeira temporada no WEC, pela mesma equipe que defende desde 2016 no ELMS. Ano passado, o piloto de 33 anos fez suas primeiras provas no Mundial defendendo três equipes diferentes – TDS Racing, G-Drive e Manor, conquistando um pódio em seis provas. Estreou em Le Mans ano passado com o 14º lugar na classificação geral. Em paralelo com as provas do WEC, disputa uma temporada parcial da Fórmula Indy pela DragonSpeed.

 

HENRIK HEDMAN

5 de janeiro de 1968 (51 anos), Kungkarl, Suécia
Graduação: Bronze

3 provas
Nenhuma vitória
Nenhum pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 2
Melhor resultado: 14º lugar em 2017

Radicado nos EUA, o sueco Henrik Hedman conta com o beneplácito da FIA, que abriu um precedente para que o piloto de 51 anos, com graduação bronze, pudesse disputar o WEC na classe LMP1. Há um forte motivo: a DragonSpeed dependia do dinheiro do gentleman driver para poder investir num programa no Mundial de Endurance.

O piloto é oriundo do Pirelli World Challenge e vem disputando provas do ELMS nos três últimos anos. Em Le Mans, disputou duas edições das 24h e foi 14º colocado geral em 2017, como melhor resultado na tradicional prova francesa.

 

RENGER VAN DER ZANDE

16 de fevereiro de 1986 (33 anos), Dodewaard, Holanda
Graduação: Ouro

6 provas
Nenhuma vitória
Nenhum pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 1
Melhor resultado: não terminou em 2018

O holandês Renger Van der Zande, de 33 anos de idade, nunca foi grande coisa nos monopostos, mas na IMSA conquistou bons resultados, como o título da extinta classe Prototype Challenge em 2016. Ano passado, foi vice-campeão defendendo a Wayne Taylor Racing, com direito ao bicampeonato das 24h de Daytona. No WEC, disputou apenas seis provas sem resultados significativos. Disputará sua segunda edição de 24h de Le Mans.

.
.

SMP RACING
 

Sede: Le Luc, França e Moscou, Rússia
Carro: BR Engineering BR01
Motor: AER P60 V6 2,4 litros Biturbo
Em 2018/19: 3ª colocada na LMP1
Vitórias: 1 na LMP2 e 3 na LMGTE-AM

A SMP Racing fez seu debute na LMP1 com projeto próprio, uma boa dose de ambição e algum potencial. Em parceria com a ART Grand Prix, que cuida da estrutura e empresta mão de obra de primeiríssima qualidade, a organização russa sonhava em ter condições de lutar de saída contra a Rebellion pelo posto de melhor equipe não-oficial da divisão principal de Protótipos. Demoraram a conseguir confiabilidade e evolução, mas os resultados vieram – com um total de quatro pódios. Sem Jenson Button, que preferiu se dedicar mais ao Super GT (categoria na qual é o atual campeão) contarão com Stoffel Vandoorne e Sergey Sirotkin como reforços na reta final do campeonato.

Pilotos do carro #11

 

MIKHAIL ALESHIN

22 de maio de 1987 (32 anos), Moscou, Rússia
Graduação: Platina

11 provas
Nenhuma vitória
3 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 4
Melhor resultado: 11º lugar em 2016

Mikhail Aleshin voltou ao FIA WEC na Super Season após aparições esporádicas pela SMP Racing na classe LMP2. O russo de 32 anos foi defenestrado da Fórmula Indy por conta dos prejuízos que deu à equipe que defendia, a Schmidt-Peterson. Tanto que sua temporada foi encerrada antes do previsto, em 2017. Aleshin conseguiu reconstruir no Mundial de Endurance uma carreira que chegou a ser dada como perdida após ganhar a World Series Fórmula V8 em 2010. Disputa as 24h de Le Mans pela quinta vez.

 

VITALY PETROV

8 de setembro de 1984 (34 anos), Vyborg, Rússia
Graduação: Platina

25 provas
Nenhuma vitória
4 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 4
Melhor resultado: 7º lugar em 2016

Vitaly Petrov se garantiu para mais uma temporada no WEC, a segunda pela SMP Racing e primeira na LMP1, após também defender a Manor, pela divisão LMP2. O ex-piloto de Fórmula 1 da Renault e Caterham, que disputou 57 provas com um pódio na categoria máxima, voltou a dividir pistas com o bicampeão de F1 Fernando Alonso, que não o conseguiu superar em Abu Dhabi na disputa pelo título em 2010, que acabou nas mãos de Sebastian Vettel. A exemplo de Aleshin, vai para a quinta aparição em Le Mans, onde já alcançou um 7º posto como melhor desempenho.

 

STOFFEL VANDOORNE

26 de março de 1992 (27 anos), Kortrijk, Bélgica
Graduação: Platina

1 prova
Nenhuma vitória
1 pódio
Participações nas 24h de Le Mans: estreante

Stoffel Vandoorne viu cair em seu colo uma vaga de piloto para as 24h de Le Mans que passou primeiro nas mãos de Jenson Button – a quem substituiu na McLaren, na Fórmula 1 – e depois por Brendon Hartley. O belga não repetiu na categoria máxima os ótimos resultados nas categorias menores e deixou a equipe britânica com apenas 26 pontos somados em 41 GPs disputados. Foi para a Fórmula E, na equipe HWA Racelab, conquistando pole positions, mas alcançando resultados medianos. Em sua primeira corrida no WEC, foi ao pódio em casa, nas 6h de Spa-Francorchamps. Estreará em La Sarthe neste ano.

 

Pilotos do carro #17

 

STÉPHANE SARRAZIN

2 de novembro de 1975 (43 anos), Barjac, França
Graduação: Platina

51 provas
5 vitórias
23 pódios
Participações nas 24h de Le Mans: 17
Melhor resultado: 2º lugar em 2007, 2009, 2013 e 2016

O experiente e versátil Stéphane Sarrazin empresta seu talento e conhecimento à equipe russa SMP Racing na Super Season. O francês de 42 anos se viu sem chances na Toyota com a contratação de Fernando Alonso e o caminho foi buscar uma nova equipe – para sua sorte, os russos trabalham desde o último ano em colaboração com a ART Grand Prix, que é francesa.

O “Mister Pole” de Le Mans nos últimos anos também serviu à Peugeot e conquistou dois títulos no ELMS em 2007 e 2010 como melhores resultados no Endurance. Tem 17 participações com cinco pódios e nada menos que quatro vice-campeonatos na lendária prova francesa.

 

EGOR ORUDZHEV

16 de outubro de 1995 (23 anos), São Petersburgo, Rússia
Graduação: Ouro

7 provas
Nenhuma vitória
1 pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 1
Melhor resultado: não terminou em 2018

Egor Orudzhev é um dos jovens pilotos apadrinhados pelo grupo SMP Bank, que financia a equipe russa no WEC. O garoto de 23 anos tem um currículo bastante razoável em provas de monoposto, tendo conquistado sete triunfos na World Series Fórmula V8 em três temporadas. Em 2017, também surpreendeu ao lado de Matevos Isaakyan no ELMS, pois os dois não disputaram a temporada completa e ainda conquistaram três pódios consecutivos, com direito a um triunfo em Paul Ricard. Na Super Season, enfrentou uma série de percalços e só terminou duas corridas, com um pódio totalmente acidental nas 6h de Silverstone.

 

SERGEY SIROTKIN

27 de agosto de 1995 (23 anos), Moscou, Rússia
Graduação: Platina

2 provas
Nenhuma vitória
Nenhum pódio
Participações nas 24h de Le Mans: 1
Melhor resultado: 33º lugar em 2017

Com passagem meteórica na Fórmula 1 pela decadente Williams, Sergey Sirotkin pelo menos conseguiu deixar seu nome nos compêndios com o 10º lugar no GP da Itália. Começou muito cedo no esporte: com menos de 15 anos, já disputava uma temporada de meio período na Fórmula Abarth Italiana, onde foi campeão europeu em 2011. Nas categorias menores como a AutoGP World Series, World Series V8 e GP2 Series (hoje Fórmula 2), sempre que teve bons carros mostrou velocidade e ganhou corridas.

Estreou no WEC na vaga do compatriota Matevos Isaakyan, chegando em 4º lugar em Spa. Fará sua segunda aparição nas 24h de Le Mans – em 2017, acabou com o décimo-sexto posto na classe LMP2 com um protótipo Dallara.

.
.