As notas do GP da Áustria de 2019

Demorou e demorou, mas a Fórmula 1 voltou a ter uma corrida digna de fazer o público prender a respiração. O GP da Áustria, na divertida pista de Spielberg, foi desses e nasceu com uma saga que fará com que ele seja lembrado: a recuperação de Max Verstappen

Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro,
Gabriel Curty, de São Paulo &
Vitor Fazio, de Berlim

A Fórmula 1 conseguiu, ao menos por uma semana, calar críticos. O GP da Áustria foi aquilo que tanto se espera: uma briga com rivais parelhos, imprevisibilidade e rotação de vencedores. O Red Bull Ring, nessa toada, foi palco para o sucesso de Max Verstappen: o holandês fez uma das melhores – ou a melhor – atuações da carreira e, merecidamente, foi o melhor piloto na análise do RANKING GP.

Verstappen alcançou nota 9.5, sendo não só o melhor do dia como também tendo sua melhor avaliação em 2019. O segundo melhor foi, curiosamente, o algoz do holandês: Charles Leclerc alcançou 8.5, nota que reflete tanto o ritmo forte quanto a derrota no menor dos detalhes.

A Mercedes chamou atenção negativamente nesta semana. Com dois carros superaquecendo ao longo do dia, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas conseguiram notas bem abaixo da média. O pior do pelotão dianteiro, entretanto, voltou a ser Pierre Gasly.

Só que ninguém foi pior avaliado do que Robert Kubica. O polonês levou sua pior nota em 2019, abrindo vantagem na luta para ser lanterninha absoluto na edição 2019 do RGP.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

Max Verstappen
Red Bull Content Pool

1º) Max Verstappen – 9.5 – A estrela do fim de semana, sem qualquer sombra de dúvida. O único erro do holandês no domingo, a largada ruim, foi compensada com uma atuação digna de piloto extraclasse. As ultrapassagens foram todas precisas, incluindo uma dose de malícia – dentro dos limites – na manobra decisiva sobre Leclerc.

2º) Charles Leclerc – 8.5 – Precisa de um banho de sal grosso. Teve duas corridas em que tudo pareceu estar sob controle, só para ver tudo desmoronar no final. O monegasco fez sua parte, mas foi vítima do ritmo fraco da Ferrari com pneus duros. A derrota amarga no fim, todavia, não apaga a atuação madura do monegasco.

3º) Valtteri Bottas – 5.5 – Segue sendo a versão de 2018, e não a de 2019. O finlandês passou o tempo inteiro na frente de Hamilton, mas não fez muita questão de brigar contra os rivais de Red Bull e Ferrari. É verdade que o carro estava superaquecendo, mas ver Verstappen passar sem sequer oferecer resistência foi feio, bem feio.

Sebastian Vettel
Twitter/Ferrari

4º) Sebastian Vettel – 7.5 – Fez a recuperação que pôde, mas nada muito além disso. O alemão estava em vias de conseguir um pódio, mas foi vítima do ritmo alucinante de Verstappen. O prêmio de consolação foi fazer a estratégia de duas paradas funcionar, passando Hamilton.

5º) Lewis Hamilton – 5.0 – Foi coadjuvante de um jeito que há muito tempo não se via. O ritmo não foi lá essas maravilhas, o que impediu qualquer recuperação após danificar a asa dianteira em uma das zebras. De quebra, o britânico foi outra vítima de superaquecimento. A boa notícia é que Bottas não foi muito melhor.

6º) Lando Norris – 8.0 – Tem 18 anos, mas já pilota como um veterano. O britânico não cometeu qualquer erro no domingo, maximizando o potencial da McLaren. O ritmo forte lembrou o visto no GP da França, mas com a diferença de não ter problemas no fim e perder três posições numa volta só.

7º) Pierre Gasly – 3.5 – Estava imediatamente atrás de Verstappen na largada, terminou uma volta atrás. Isso é tudo: o francês segue sofrendo no pelotão intermediário e apresenta ritmo de piloto da Toro Rosso. Não se sabe se a Red Bull pensa mesmo em demissão no meio do ano, mas o francês precisa se ligar.

8º) Carlos Sainz Jr. – 8.0 – Alcançou o melhor resultado possível. Largando na rabeira do grid após troca de peças do carro, o britânico fez chover e escalou o pelotão com grande habilidade. Mais do que mostrar que tem braço, o espanhol deu novas provas da capacidade da McLaren, hoje melhor equipe do pelotão médio.

9º) Kimi Räikkönen – 7.0 – Passou a corrida inteira na zona de pontos e certamente fez o dever de casa. A Alfa Romeo não teve ritmo para que o finlandês seguisse perto de Norris até o fim, mas isso é o de menos. Pontuar pela segunda vez seguida é o que realmente conta.

10º) Antonio Giovinazzi – 7.0 – Finalmente deu sinal de vida. O italiano voltou ao Q3 e, ao contrário do visto na França, permaneceu na parte dianteira do pelotão. O italiano certamente ainda pode fazer melhor, mas deu sinais encorajadores.

Sergio Pérez e Nico Hülkenberg
Twitter/Racing Point

11º) Sergio Pérez – 6.5 – Teve uma classificação ruim e quase conseguiu reverter o panorama na corrida. Não fosse o fato de Sainz conseguir escalar o pelotão tão bem, teria saído da Áustria com um ponto. Como ‘se’ não existe, o mexicano amplia uma incômoda sequência fora do top-10.

12º) Daniel Ricciardo – 5.0 – Largou na ‘meioca’ do grid e de lá não saiu. Depois de um GP do Canadá em que a Renault empolgou em pista de alta velocidade, a Áustria voltou a mostrar uma verdade inconveniente. Presente indigesto de 30 anos para o australiano.

13º) Nico Hülkenberg – 5.5 – Sofreu os mesmos problemas de Ricciardo, mas ao menos fez algum progresso na corrida. Punido por troca de peça do motor, o alemão terminou colado na traseira do rival e indicou que, em condições normais, estaria adiante.

14º) Lance Stroll – 5.0 – Não superou a Renault nem mesmo com um carro notoriamente bom em pistas de alta. O canadense não fez nada particularmente ruim no domingo, mas também não conseguiu se destacar por motivo algum.

15º) Alexander Albon – 5.0 – Não fez a recuperação de Sainz, muito por conta de uma Toro Rosso bem medíocre na Áustria. A boa notícia foi superar Kvyat, a má notícia foi ainda estar milhas distante de estar ao menos perto da outra equipe com motor Honda.

A Haas teve um péssimo fim de semana
Twitter/Haas

16º) Romain Grosjean – 4.0 – Não foi tão bem na classificação e foi pior ainda na corrida. O francês virou a única esperança da Haas após a punição de Magnussen, mas não havia como ter esperança. A equipe americana segue com desempenho para lá de pífio nas corridas.

17º) Daniil Kvyat – 4.0 – Foi eliminado no Q1 por culpa de Russell, mas é difícil acreditar que ir ao Q2 fosse fazer muita diferença. O russo não estava chegando a lugar nenhum, contrastando com uma temporada que nem é tão fraca assim.

18º) George Russell – 6.0 – Ensaiou brigar com o pelotão intermediário nas primeiras voltas, mas logo ficou claro que era pedir demais. Mesmo assim, o britânico pode ficar feliz: a surra em Kubica foi maior do que de costume na Áustria.

19º) Kevin Magnussen – 4.0 – Fica até difícil dar nota para o rapaz. A classificação foi digna de aplausos, com um quinto melhor tempo, mas a corrida reservou tudo que poderia dar errado. Largar com pneus gastos foi horrível, assim como foi a punição por não alinhar no lugar certo no grid. Terminar atrás de uma Williams foi a cereja no bolo.

20º) Robert Kubica – 3.0 – Em uma temporada de atuações fracas, talvez a da Áustria tenha sido a pior. O polonês foi o único a levar três voltas do líder, consequência de estar 1s pior do que Russell em determinados momentos da prova. Não há palavras.

GP da Áustria – 9.0

Melhor GP: Bahrein (9.5)
Pior GP: França (1.0)

O Bahrein apresentara a única corrida digna de recordação da temporada da Fórmula 1 até aqui, mas agora recebeu uma companhia de peso no rol das provas de 2019. Na Áustria, a luta pela vitória deu uma pimenta especial, mas teve muito mais. Só Max Verstappen já teve grande história, largando mal e indo de 7º para a vitória. Atrás dele, disputas e percalços com Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, por exemplo, apresentaram uma baita competição em Spielberg.

Média de cada piloto após GP da Áustria:

1º) Lewis Hamilton - 7.9
1º) Max Verstappen - 7.9
3º) Valtteri Bottas - 7.0
4º) Charles Leclerc - 6.7
5º) Carlos Sainz Jr. - 6.6
6º) Sebastian Vettel - 6.4
7º) Sergio Pérez - 6.3
8º) Alexander Albon - 6.2
8º) Nico Hülkenberg - 6.2
8º) Kimi Räikkönen - 6.2
8º) Lando Norris - 6.2
12º) Daniil Kvyat - 5.7
13º) George Russell - 5.6
14º) Romain Grosjean - 5.5
14º) Lance Stroll - 5.5
16º) Daniel Ricciardo - 5.4
17º) Pierre Gasly - 5.0
18º) Antonio Giovinazzi - 4.9
19º) Kevin Magnussen - 4.8
20º) Robert Kubica - 4.2