As notas do GP da Espanha de 2018

Em uma prova em que quase nada aconteceu, quem foi ao pódio levou as notas mais altas e quem causou um acidente bizarro no início ficou com a pior avaliação do ano

Gabriel Curty, de São Paulo,
Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro &
Vitor Fazio, de Porto Alegre

Chegou a hora da F1 ter uma corrida ruim na excelente temporada 2018. O GP da Espanha, mais uma vez, foi muito abaixo das provas anteriores e não proporcionou disputas espetaculares ou grandes alternativas para mexer com o resultado da prova.

Mesmo assim, não foi tão fácil assim dar nota. Com pouca ação, pouca gente se destacou muito. Desta forma, as três melhores avaliações foram de Lewis Hamilton, Valtteri Bottas e Max Verstappen, justamente o trio que foi ao pódio. 

No fim da lista, com notas muito baixas, apareceram os três pilotos que mais estão sendo contestados no momento: Romain Grosjean, Brendon Hartley e Sergey Sirotkin.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

Lewis Hamilton venceu em Barcelona
Beto Issa/Grande Prêmio

1º) Lewis Hamilton - 9.5 - O tetracampeão teve um final de semana bem ao seu estilo dos melhores tempos. A vitória em Baku pode ter sido totalmente acidental, mas parece ter feito Lewis voltar ao jogo. O que se viu em Barcelona foi um passeio do inglês.

2º) Valtteri Bottas - 8.0 - A fase do finlandês é das melhores. Bastante competitivo, Bottas tem conseguido se manter ao menos próximo de Hamilton e conquistando ótimos resultados. Levou 18 pontos para casa e a dobradinha sem deixar a Mercedes levar sustos.

3º) Max Verstappen - 8.0 - Barcelona é mesmo palco de grandes momentos para Verstappen. Se foi lá que o holandês venceu pela primeira vez na F1 logo na estreia pela Red Bull, também foi onde renasceu. Muito contestado por uma série de acidentes, Max teve ótimo desempenho e bateu Daniel Ricciardo com extrema tranquilidade. Só assustou quando bateu no retardatário Sirotkin e quebrou a asa dianteira, mas nada que prejudicasse seu ritmo. Pódio garantido.

O pódio do GP da Espanha
Beto Issa/Grande Prêmio

4º) Sebastian Vettel - 7.0 - A Ferrari teve um final de semana como há tempos não se via: de bastante inferioridade em relação à Mercedes. E desta vez foi completa: performance coletiva, performance de piloto e até estratégia. Foi tentando dar o bote que os italianos jogaram o pódio de Vettel no colo de Verstappen. Corrida morna do alemão.

5º) Daniel Ricciardo - 6.0 - Outro que teve um desempenho morno foi Ricciardo, mas aí precisa pesar o grande revés que teve para Verstappen. Foram 0s002 na classificação que parecem ter definido tudo, já que o australiano foi opaco na corrida.

6º) Kevin Magnussen - 7.5 - A Haas voltou a ter destacadamente o quarto melhor carro do grid na Espanha e coube a Magnussen aproveitar isso. Tirando uma manobra totalmente desnecessária em cima de Leclerc bem ao seu estilo no TL1, o dinamarquês foi seguro: o melhor do resto na classificação e o melhor do resto na corrida. Ainda deu sorte de não rodar na segunda curva no incidente que gerou a trapalhada absurda de Grosjean.

7º) Carlos Sainz Jr. - 7.5 - Está claro que ainda falta melhorar nas classificações, mas Sainz, definitivamente, acordou para vida nas últimas corridas. O espanhol fez uma bela prova em casa e aproveitou o bom carro da Renault em um final de semana de zica pura do companheiro Hülkenberg.

8º) Fernando Alonso - 7.0 - Que cidadão oportunista - no melhor sentido da palavra - é Fernando Alonso. O espanhol segue tirando leite de pedra e colocando a McLaren toda vez na zona de - bons - pontos. Destaque também para uma ultrapassagem lindíssima que deu por fora em cima de Ocon.

9º) Sergio Pérez - 6.0 - A impressão que dá é que o Pérez de 2016 e 2017 voltou. O mexicano marcou dois pontos na estratégia pura na Espanha e se recuperou de mais uma classificação que passou longe de ser decente. Ao contrário do que demonstrava na McLaren, é um dos mais cerebrais do grid e não é de hoje.

10º) Charles Leclerc - 7.0 - Leclerc caiu no final da corrida quando dava pinta de que conseguiria uma vaguinha até no top-7, mas tem de ser elogiado pela segunda corrida seguida pontuando com a Sauber. Boa classificação, boa largada e boa prova. Tem muito futuro mesmo.

Max Verstappen foi ao pódio, enquanto Daniel Ricciardo esteve apagado
Beto Issa/Grande Prêmio

11º) Lance Stroll - 4.5 - Se Stroll chegasse aos pontos, seria mais um capítulo das coisas inacreditáveis da F1. Muito fraco o final de semana do canadense e, principalmente, da Williams. Destaque para a largada de Lance, seu grande momento na etapa toda. Mas pouco para sonhar com ponto.

12º) Brendon Hartley - 3.0 - Que coisa triste tem sido o desempenho de Hartley. Fora da classificação por ter estampado o carro durante o TL3, o neozelandês não fez absolutamente nada na prova e só foi herdando posições com problemas dos rivais. Está difícil crer que termina o ano empregado.

13º) Marcus Ericsson - 3.5 - O atraso para Leclerc foi gigantesco e Ericsson voltou mesmo para aquela sina de ser bem pior que o companheiro de equipe. Dito isto, vale dizer que o sueco tinha boas chances de ficar em 11º se não tivesse brigado tanto tempo com Sainz, que já tinha parado e estava com pneus mais novos. O ótimo desempenho de Ericsson na briga, com boas defesas, fez Leclerc sonhar com a sétima colocação. Ponto para ele.

14º) Sergey Sirotkin - 2.0 - Olha, Sirotkin podia começar a tentar manter o carro dentro da área delimitada por duas zebras, isso mesmo, a pista. Não tem muito o que dizer da corrida do russo que ainda não fez sua estreia na F1 e, a todo momento, consegue dar um jeito de aparecer em último na prova. Está triste de ver.

Fernando Alonso e Lance Stroll
Beto Issa/Grande Prêmio

NC) Stoffel Vandoorne - 5.0 - Muita gente achou que Vandoorne fez uma péssima corrida na Espanha, mas nós não entendemos desta forma. O belga não largou bem de novo, é verdade, mas foi a punição de 5s por limite de pista que mudou tudo. Poderia ter sido, pelo menos, nono não fosse isso e um problema que causou o abandono.

NC) Esteban Ocon - 5.5 - Mais uma corrida que Ocon coloca Pérez no bolso na classificação, mas não consegue transformar isso em bons pontos. Agora, zero culpa do francês. A Force India fez uma parada eterna quando Ocon brigava pela sétima posição e foi justamente a roda traseira direita que falhou causando um abandono. Pena.

NC) Kimi Räikkönen - 6.0 - Engraçado como não tem basicamente uma etapa em que Räikkönen simplesmente ande bem e conquiste um bom resultado. É praticamente ou uma coisa ou outra. Nesse final de semana, a Ferrari quebrou e deixou o campeão de 2007 na mão.

NC) Nico Hülkenberg - 5.0 - Pensa num final de semana zicado. Bom, você pode ter tranquilamente imaginado a etapa espanhola de Hülk. Na classificação, um problema no carro tirou o alemão até do Q2. Na corrida, largou até bem, mas foi acertado por Grosjean e parou ali mesmo. Difícil até de julgar ele.

NC) Pierre Gasly - 5.5 - Gasly foi atingido no mesmo incidente que Hülk, mas ao menos temos algo para avaliar: a boa classificação do francês que quase foi ao Q3. Na corrida, infelizmente, ficou de novo na linha de tiro com culpa zero. Precisa se benzer.

NC) Romain Grosjean - 0.5 - Meu Deus do céu, Grosjean. O que está acontecendo, cara? O francês parece realmente em outra dimensão. Classificou de forma mediana, largou bem e aí rodou após um erro de Magnussen. Até aí, tudo bem, mas o piloto da Haas esqueceu de uma regra básica: não se acelera enquanto está rodando, menos ainda quando o pelotão todo está passando. Bom, Grosjean virou o Pião da Casa Própria e, por muito pouco, não foi acertado em T por metade do grid. No fim, só atingiu Hülk e Gasly e, por sorte, ninguém se feriu. Pior performance do ano de alguém.

GP da Espanha - 5.0

Nem a excelente temporada 2018 da F1 sobreviveu à chatice costumeira do GP da Espanha. Poucas brigas, estratégias diferentes - a Ferrari fez e se deu mal - e apenas a pancada protagonizada por Grosjean movimentando as coisas.

 

Melhor GP: GP do Azerbaijão (9.5)

Pior GP: GP da Espanha (5.0)

Média: 7.2

Média dos pilotos após o GP da Espanha

1º) Sebastian Vettel - 7.9
2º) Fernando Alonso - 7.5
2º) Lewis Hamilton - 7.5
4º) Valtteri Bottas - 7.0
5º) Kimi Räikkönen - 6.9
6º) Nico Hülkenberg - 6.4
6º) Carlos Sainz Jr. - 6.4
8º) Daniel Ricciardo - 6.3
8º) Sergio Pérez - 6.3
10º) Stoffel Vandoorne - 6.2
10º) Kevin Magnussen - 6.2
12º) Charles Leclerc - 6.0
13º) Pierre Gasly - 5.5
14º) Marcus Ericsson - 5.2
14º) Esteban Ocon - 5.2
16º) Lance Stroll - 5.0
17º) Romain Grosjean - 4.2
18º) Max Verstappen - 4.0
19º) Brendon Hartley - 3.9
20º) Sergey Sirotkin - 3.2