As notas do GP da Rússia de 2019

Na briga de pista e de rádio entre Charles Leclerc, Ferrari e Sebastian Vettel, levaram a melhor Lewis Hamilton e a Mercedes. Mesmo sem ritmo para tanto, os alemães bateram a carteira dos italianos e voltaram às vitórias

Gabriel Curty, de São Paulo,
Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro &
Vitor Fazio, de Berlim

Longe de ser uma corrida dentre as mais divertidas da temporada, o GP da Rússia também não contou como uma das piores. Foi uma corrida de altos e baixos, basicamente uma metade para cada. Enquanto Sebastian Vettel tomava a ponta e Charles Leclerc reivindicava o posto de volta, uma vez que fora cedido como cordialidade, ele garantia. O que não aconteceu, logicamente. Mas a Ferrari viu a corrida ser jogada no colo da Mercedes após a quebra - mais uma - do motor italiano do carro de Vettel.

Sobrou para Lewis Hamilton, que nem parecia muito disposto a se lançar pela vitória, assumir a ponta e comandar a Flecha Prateada até o fim. Hamilton ganhou boa nota, assim como Vettel, vitimado por algo que não podia controlar. Leclerc, pelas reclamações e incapacidade de atacar Valtteri Bottas após o safety-car virtual, ficou atrás.

A nota mais baixa do dia ficou com Kimi Räikkönen, no pior domingo dele em 2019. De queimar largada até escapar da pista, fez muito do possível para não ter chances de pontuar. 

As notas do RANKING GP são calculadas de acordo com avaliações dos jornalistas Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio.

Lewis Hamilton venceu pela primeira vez desde o GP da Hungria
AFP

1) Lewis Hamilton - 8,5 - Difícil pensar numa sequência de quatro corridas nos últimos cinco anos em que a Mercedes foi tão superada por qualquer outra equipe. Mas o trabalho correto e livre de raras confusões foi o bastante para fazer com que uma dobradinha sobrasse do nada. Hamilton é quase campeão, algo que, vendo o rendimento atual, certamente serve como alívio.

2) Valtteri Bottas - 7.0 - O GP da Rússia foi um 'Bottas Special': não fez nada digno de nota, mas subiu duas posições e terminou em segundo. OK, não sejamos injustos, Bottas não permitiu que Leclerc se aproximasse dele e de Hamilton na metade final da prova em Sóchi. O escudeiro.

3) Charles Leclerc - 5.5 - Independente do leitor acreditar que Leclerc estava correto ou não ao pedir a posição de volta para Vettel, é inegável que o monegasco perde tempo e gasta os ouvidos alheios reclamando demais no rádio da Ferrari. No fim das contas, após o golpe de azar da quebra do companheiro, falhou em atacar Bottas. Um terceiro lugar só menos amargo que aquele do Bahrein.

Charles Leclerc até chegou a parecer favorito, mas murchou no domingo
Ferrari

4) Max Verstappen - 6.5 - O crescimento pré-verão da Red Bull encontrou enorme lombada no caminho. A Ferrari passou de passagem, ao passo que a Mercedes não permite mais a aproximação. Verstappen fez o possível, que neste momento não é muito.

5) Alexander Albon - 7.0 - O resultado final não é nada que chame a atenção, mas o que se viu em Sóchi foi um festival de ultrapassagens do piloto tailandês. Como é bom de ultrapassagem, viu? E largou do pit-lane!

6) Carlos Sainz Jr. -7.5 - A McLaren superou a marca de 100 pontos pela primeira vez. Destes, 69 pertencem a Sainz, que segue numa temporada brutalmente constante em alto nível. Mais uma vez melhor do resto, é um dos nomes do campeonato e deu o salto que dele se esperava desde 2015.

7) Sergio Pérez - 7.5 - Após largar na 11ª colocação, Pérez mostrou mais uma vez a bem conhecida capacidade de recuperação e voltou ao top-10 após o abandono em Singapura. No caminho, deixou para trás gente como Lando Norris e Nico Hülkenberg.

8) Lando Norris - 6.5 - Mesmo sem brilho, Norris conseguiu permanecer com sobras ainda no 'pódio B' e anotar mais quatro tentos no campeonato. Conforme o ano se aproxima da fase derradeira, a McLaren reforça todas as decisões corretas que tomou - e agora se prepara para o retorno dos motores Mercedes.

9) Kevin Magnussen - 7.0 - Com o dinamarquês nunca se sabe o que o dia reserva. Em Sóchi, foi algo de bom. Magnussen saiu da 13ª posição e foi limpando caminho até o oitavo posto. Quando atacou Pérez, acabou saindo da pista e driblando as barreiras para retornar. Acabou recebendo uma punição de 5s que empurrou do oitavo para o nono posto, mas pode comemorar dessa vez.

10) Nico Hülkenberg - 6.5 - A Renault é um navio à deriva no atual momento. Fora dos planos para 2020, o ex-candidato a salvador se segurou no top-10 para lograr o único ponto do time francês na Rússia.

Sebastian Vettel ficou a ver navios em Sóchi
Reprodução/TV

11) Lance Stroll - 6.0 - Como Pérez, Stroll foi melhor na prova que na corrida. Diferente do companheiro, não entrou na zona de pontos. Ainda assim, o momento do canadense é o melhor dele desde que entrou na F1.

12) Daniil Kvyat - 6.5 - O russo largou na última colocação entre aqueles que partiram da pista e conseguiu limpar caminho o bastante para o 12º posto. Mesmo sem pontos, não dá para negar que teve um dia produtivo. 

13) Kimi Räikkönen -  3.5 - Queimou a largada, saiu da pista, fez de um tudo para ir mal. E conseguiu. A pior atuação de Räikkönen pela Alfa Romeo.

14) Pierre Gasly - 5.5 - O Gasly da Toro Rosso é melhro que o Gasly da Red Bull, o que não quer dizer grande coisa. Atuação bastante esquecível do francês.

15) Antonio Giovinazzi - 4.0 - Um toque de Ricciardo na largada fez com que Giovinazzi tirasse Grosjean da corrida. Não sofreu tanto com isso, mas acabou sendo o último colocado entre os que terminaram a prova. Qual vai ser, Giovinazzi?

Robert Kubica abandonou a pedido da Williams
Williams

NT) Robert Kubica - 4.0 - Após o primeiro abandono por problemas do carro da Williams na temporada, a morte e os impostos seguem imbatíveis como as duas constantes da vida humana. Kubica ficou desesperado, o que é perfeitamente compreensível. 

NT) George Russell - 4.5 - Entre todos os dias ruins de 2019, a Williams teve o pior deles. Problemas, uma batida, abandono. Fim de linha após apenas 27 voltas.

NT) Sebastian Vettel - 8.0 - Quando a porta abriu na largada, Vettel foi embora, assumiu a liderança e tinha a enorme chance de emendar duas vitórias seguidas. Mas problemas no motor forçaram o abandono do tetracampeão e a chamada do safety-car virtual que favoreceu amplamente a Mercedes.

NT) Daniel Ricciardo - 5.0 - Um toque do australiano em Giovinazzi logo na largada atrapalhou a vida de algumas pessoas. Uma delas, claro, o próprio Ricciardo. Primeiro, foi aos boxes para trocar os pneus avariados. Voltas mais tarde, o carro não aguentou. 

NT) Romain Grosjean - 6.0 - É um ímã incrível de confusões de todas as sortes. Grosjean vinha num fim de semana positivo, largava em oitavo e, a julgar pelo rendimento de Magnussen, tinha enormes chances de marcar muitos pontos. E aí acabou vítima de um toque de Ricciardo em Giovinazzi. Não teve qualquer culpa. 

GP da Rússia – 5.5

Melhor GP: Alemanha (10.0)
Pior GP: França (1.0)

Média: 6.8

A Rússia não surpreende nas corridas monótonas. Se de uns meses para cá a temporada esquentou e teve várias ótimas provas, Sóchi representou uma queda do nível, mas nem sequer passou perto de ser uma das piores corridas do ano. Ao menos não faltou variações na briga pela vitória.  

Confira a nota média dos pilotos após o GP da Rússia:

1º) Lewis Hamilton - 7.7
2º) Max Verstappen - 7.6
3º) Charles Leclerc - 6.9
4º) Carlos Sainz Jr. - 6.8
5º) Alexander Albon - 6.5
6º) Lando Norris - 6.3
6º) Valtteri Bottas - 6.3
6º) Nico Hülkenberg - 6.3
9º) Sebastian Vettel - 6.2
10º) Sergio Pérez - 6.1
11º) Daniil Kvyat - 6.0
12º) Daniel Ricciardo - 5.8
13º) Kimi Räikkönen - 5.7
14º) George Russell - 5.6
15º) Pierre Gasly - 5.5
16º) Lance Stroll - 5.4
17º) Romain Grosjean - 5.1
18º) Antonio Giovinazzi - 4.9
18º) Kevin Magnussen - 4.9
20º) Robert Kubica - 4.3