As notas do GP de Mônaco de 2019

Lewis Hamilton venceu em Mônaco e recebeu, com sobras, a melhor nota no Ranking GP. Sebastian Vettel e Valtteri Bottas foram ao pódio, mas, sem atuações brilhantes, ficaram para trás nas avaliações. Antonio Giovinazzi foi considerado o pior

Vitor Fazio, de Berlim,
Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro &
Gabriel Curty, de São Paulo

No fim das contas, só um piloto brilhou para valer no GP de Mônaco do último fim de semana. Lewis Hamilton fez um grande trabalho ao segurar Max Verstappen, mesmo com pneus mais gastos, e triunfou nas ruas do Principado pela terceira vez. Sem surpresas, o britânico foi contemplado com a melhor nota no Ranking GP.

Hamilton superou até o próprio nível. O 9.5 representa a melhor nota do #44 em 2019, superando o 9.0 conquistado na China. Mais do que isso, de forma inusitada, Lewis teve larga vantagem na comparação com a avaliação dos adversários – Sebastian Vettel e Valtteri Bottas, companheiro de pódio, não foram além do 7.0.

No outro extremo, Antonio Giovinazzi foi considerado o pior piloto da corrida. O italiano, além de causar incidente com Robert Kubica, se arrastou na pista até a linha de chegada. Charles Leclerc, que teve um fim de semana para lá de conturbado, também ficou perto da lanterna.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

Lewis Hamilton venceu pela terceira vez em Mônaco
Beto Issa

1º) Lewis Hamilton – 9.5 – Talvez tenha sido o único piloto a se destacar para valer. Fez a maior parte do dever de casa na classificação, levando pole crucial para superar o erro de estratégia da Mercedes na corrida. O britânico perdeu a paciência no rádio, mas não a pilotagem sutil para poupar pneus.

2º) Sebastian Vettel – 7.0 – Fez talvez sua melhor corrida em 2019, o que diz mais sobre o andar da temporada do que sobre o GP de Mônaco. O alemão teve uma classificação difícil, mas compensou com uma corrida sem erros. Bastou para capitalizar em cima dos problemas de Verstappen e Bottas.

3º) Valtteri Bottas – 6.5 – Em um mix de azar com apatia, não chegou a lugar nenhum em Mônaco. Aquilo que já se desenhava como derrota para Lewis Hamilton virou um buraco mais fundo depois do furo de pneus e do pit-stop extra. Valtteri segue vivo na luta pelo título, mas precisando mais e mais de uma vitória convincente.

Max Verstappen foi punido, mas recebeu boa nota
Red Bull Content Pool

4º) Max Verstappen – 7.5 – Ficou de mãos atadas após a punição por saída perigosa dos boxes, que efetivamente acabou com as chances de vitória. Preso atrás de Hamilton o tempo todo, o holandês resistiu à tentação de buscar uma ultrapassagem perigosa demais. Ao mesmo tempo, vai ser justo se alguém disser que Max poderia ter buscado a manobra com mais vigor.

5º) Pierre Gasly – 7.0 – Segue devendo muito para Verstappen, mas parece dar passos pequenos adiante. O francês não cometeu erros em Mônaco e tentou se colocar em posição de capitalizar nos azares alheios – que, no fim, mal vieram. Paciência.

6º) Carlos Sainz Jr. – 8.0 – Apresentou-se de forma muito convincente. A classificação não foi lá tão empolgante, mas Sainz e McLaren compensaram com um combo de estratégia efetiva com uma pilotagem sem erros. A Toro Rosso foi uma rival dura, mas Carlos tirou de letra.

7º) Daniil Kvyat – 7.5 – Finalmente recompensado por um bom fim de semana. O russo não faz um começo de ano ruim, mas ainda não tinha resultados para se defender. Agora tem: o sétimo posto, incluindo ainda vitória sobre o bem cotado companheiro Albon, traz ar fresco para 2019.

8º) Alexander Albon – 7.0 – Não encantou, mas evitou erros no primeiro GP de Mônaco da vida, o que sempre é positivo. Assim como Kvyat, fez funcionar a estratégia de adiar o pit-stop o máximo possível, levando vantagem sobre rivais.

9º) Daniel Ricciardo – 6.5 – Largou como forte candidato à dianteira do pelotão intermediário, terminou mal pontuando. O australiano foi traído pela decisão de fazer pit-stop ainda durante o safety-car, o que o fez perder muito tempo preso no tráfego. Deu para salvar dois pontinhos, mas certamente dava para ir além.

10º) Romain Grosjean – 7.0 – Largou sonhando com pontos e, apesar de conseguir, talvez tenha terminado frustrado. Depois de ser prejudicado por Gasly na classificação, Romain tinha tudo para terminar em nono – isso até cruzar a linha de saída dos boxes e ganhar 5s de punição...

Sebastian Vettel salvou um segundo lugar em Monte Carlo
Beto Issa

11º) Lando Norris – 5.5 – Quando comparado com Sainz, fez um trabalho bem mais ou menos. Não só Norris não foi ao Q3, como também nunca pareceu ser um candidato muito sério à zona de pontos. É perdoável, mas destoa do bom começo de 2019 até aqui.

12º) Sergio Pérez – 5.5 – Não conseguiu fazer muito com uma Racing Point que não chegou a lugar nenhum. Depois de cair no Q1, o mexicano precisava de uma corrida louca para reagir. Sem abandonos, Pérez ficou de mãos abanando.

13º) Nico Hülkenberg – 5.5 – Ficou consideravelmente atrás de Ricciardo, mas não só por conta própria. A corrida do alemão sofreu um golpe – literalmente – na tentativa afobada de ultrapassagem de Leclerc. Era o fim do sonho de pontos.

14º) Kevin Magnussen – 5.5 – Era para brigar pelo sexto lugar, mas viu tudo dar errado com a estratégia de parar no safety-car. Sem novos acidentes, o dinamarquês precisaria ganhar terreno no braço – e isso nunca funcionaria. A punição por cortar caminho para deter Pérez foi a cereja no bolo.

15º) George Russell – 7.0 – Correu sabendo que era a chance única de brigar com carros mais rápidos, e fez bom proveito. Sem cometer qualquer erro e com ritmo decente, o britânico se portou como um campeão da F2 – um talento ainda a ser lapidado, mas certamente com potencial.

George Russell fez o possível com o limitado carro da Williams
Beto Issa

16º) Lance Stroll – 4.5 – Água não se mistura com óleo e Stroll não se entende com Mônaco. O monegasco voltou a ficar consideravelmente atrás de Pérez e, de quebra, envolveu-se em incidente besta com Räikkönen.

17º) Kimi Räikkönen – 4.5 – Não fez nada além de completar 300 GPs na F1. O ritmo da Alfa Romeo ficou ainda pior na corrida, além de que a estratégia não funcionou. Momento já é preocupante para a equipe de Hinwil.

18º) Robert Kubica – 5.0 – Foi ofuscado por Russell, mas fez um trabalho bastante digno. O polonês estava bem posicionado até ser abalroado por Giovinazzi, o que fez a maionese desandar. Kubica ficou claramente frustrado, e com razão.

19º) Antonio Giovinazzi – 2.5 – O que dizer? O italiano, além de lidar com os problemas naturais da Alfa Romeo, fez tudo piorar ao bater em Kubica em uma braçada clássica. Depois, justamente punido, só se arrastou até o fim da miséria, com a bandeira quadriculada.

NC – Charles Leclerc – 4.5 – Foi parte vítima, parte culpado. Leclerc voltou a ficar na mão pela Ferrari na classificação, mas não mostrou paciência na corrida. Ao invés de apostar na estratégia e em ultrapassagens calculadas, Charles tentou resolver tudo na pressa. O resultado foi um toque em Hülkenberg, seguido de abandono.

GP de Mônaco – 6.0

Melhor GP: Bahrein (9.5)

Pior GP: Espanha (3.5)

Foram voltas e mais voltas prometendo um clímax que, no fim das contas, não veio. Não foi o GP de Mônaco mais chato, mas certamente não foi o mais memorável. A dificuldade para ultrapassar foi particularmente frustrante dessa vez.

Média de cada piloto após GP de Mônaco

1º) Lewis Hamilton - 8.3
2º) Valtteri Bottas - 7.9
2º) Max Verstappen - 7.9
4º) Alexander Albon - 6.8
5º) Sergio Pérez - 6.4
6º) Charles Leclerc - 6.3
6º) Kimi Räikkönen - 6.3
6º) Carlos Sainz Jr. - 6.3
9º) Romain Grosjean - 6.1
9º) Sebastian Vettel - 6.1
11º) Nico Hülkenberg - 5.9
12º) Lando Norris - 5.8
12º) Pierre Gasly - 5.8
12º) Daniil Kvyat - 5.8
15º) Kevin Magnussen - 5.6
16º) George Russell - 5.5
17º) Lance Stroll - 5.3
18º) Daniel Ricciardo - 4.9
19º) Antonio Giovinazzi - 4.5
20º) Robert Kubica - 4.3